Anfavea defende novo modelo de negócio para o Salão do Automóvel de São Paulo

Fabricantes avaliam como reduzir custos de realização e tornar o evento mais atrativo

Por SUELI REIS, AB
  • 07/02/2020 - 20:10
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    A Anfavea defendeu a premissa de que o Salão Internacional do Automóvel de São Paulo deve encontrar seu melhor modelo de negócio a exemplo de outros salões internacionais que começaram a revisar suas estruturas e viabilidade. O evento de 2020 está agendado para acontecer entre os dias 12 e 23 de novembro no SP Expo.




    O presidente da associação, Luiz Carlos Moraes, confirmou que o custo para realizar o evento é um item que está sendo rediscutido.

    “Nosso papel como Anfavea está em como podemos ajudar a tornar esse evento mais economicamente viável; pensar em como reinventar o salão oferecendo condições mais atrativas, mais baratas e mais eficientes e contribuir na formatação do novo modelo com a redução de custos”, declarou o presidente da entidade.



    Moraes reforçou que o investimento aplicado pelas montadoras para o salão vem sendo questionado pelas matrizes, que se perguntam se vale a pena investir nesse tipo de evento considerando o retorno que ele promove para as marcas. Ao mesmo tempo, o executivo lembra que este não é um movimento exclusivo do evento no Brasil: “Grandes salões como o de Detroit, Frankfurt e Tóquio estão mudando; a transformação global do setor faz com que as empresas repensem seus modelos de negócio e cada país está tentando encontrar o seu melhor modelo”.

    Ele cita o exemplo do Salão de Frankfurt (IAA, na sigla em alemão), que após 70 anos de realização, deixará a cidade e se mudará para outro local. “A cidade tem que abraçar o evento, porque movimenta vários setores, como o hoteleiro, turismo, transporte. Em São Paulo, por exemplo, o Salão do Automóvel nem consta no calendário oficial da cidade.”

    Na última edição, em outubro de 2018, o Salão do Automóvel de São Paulo recebeu a visita de 740 mil pessoas, segundo a Reed Exhibition Alcântara Machado, empresa organizadora do evento.

    FICA PARA A PRÓXIMA


    A lista de montadoras que este ano confirmaram que não vão Salão Internacional do Automóvel de São Paulo em 2020 chega a seis:

    - BMW e Mini
    - Toyota e Lexus
    - General Motors
    - Hyundai

    O número pode aumentar por conta de Mitsubishi e Suzuki, ambas controladas no Brasil pelo Grupo HPE, que ainda está analisando a questão.

    Segundo a Reed, 12 marcas confirmaram reservas de espaço no SP Expo este ano: Volkswagen, Ford, Honda, Fiat, Jeep, Ram, Dodge, Renault, Nissan, Subaru, Hyundai e Caoa Chery. A Hyundai, como se viu, já confirmou que não irá. Outras marcas como Peugeot, Citroën, DS; Jaguar Land Rover, Volvo, JAC já não tinham ido ao salão de 2018 e também não devem ir este ano. Outras marcas, como a Kia, ainda não confirmaram ou não se pronunciaram.