Argentina segue em queda, mas incentivo evita tombo maior

Até agosto vendas no país acumulam retração de 49,2%; montadoras negociam continuação dos descontos

Por PEDRO KUTNEY, AB
  • 05/09/2019 - 18:29
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    Após três meses de concessão de incentivos de 50 mil e 90 mil pesos (U$ 893 e US$ 1,6 mil pelo câmbio atual), as vendas de veículos na Argentina se estabilizaram entre 36 mil e 39 mil unidades/mês; antes mal passavam de 30 mil. Assim as quedas mensais foram suavizadas, mas os bônus bancados pelo governo (45%) e montadoras locais (55%) não foram capazes de segurar a forte contração do mercado argentino.

    Segundo balanço divulgado pela associação de fabricantes, a Adefa, no acumulado de oito meses foram negociados aos concessionários 264,3 mil carros e utilitários, em retração de 49,2% na comparação com igual período de 2018, quando a recessão econômica já havia se instalado no país, o que indica o aprofundamento das dificuldades. Na evolução mensal das vendas, graças aos bônus o recuo é bem menor. Em agosto, com 38 mil unidades vendidas, houve pequena queda de 3,1% em relação a julho e de 27,2% quando se compara com o mesmo mês do ano passado.

    O cenário tende a se tornar ainda mais negativo sem os incentivos. Setembro começou sem a participação nos bônus do governo argentino, que enfrenta severas dificuldades fiscais. Os descontos continuam a ser bancados integralmente por algumas marcas como Volkswagen, Renault e Toyota, enquanto a Adefa e a associação dos concessionários negociam a continuação do programa.

    PRODUÇÃO E EXPORTAÇÃO



    Após paralisações em diversas fábricas na Argentina erm julho, a produção voltou ao normal em agosto, o que provocou expressivo crescimento porcentual de 42,4% nos volumes produzidos entre um mês e outro. Em 21 dias úteis de trabalho foram fabricados 30,8 mil veículos, número ainda 37,5% abaixo na comparação com agosto do ano passado.

    Nos primeiros oito meses de 2019 as fábricas argentinas produziram 213,6 mil veículos, número 35,9% inferior ao verificado nos mesmo período de 2018.

    As exportações, principal válvula de escape da indústria automotiva argentina durante a crise, também apresentam desempenho abaixo da média. Em agosto foram exportadas apenas 18,8 mil unidades, em baixa de 5,3% sobre julho e retração de 32,8% ante o mesmo mês do ano passado.

    De janeiro a agosto as exportações argentinas de veículos somaram 146,4 mil unidades, o que representa queda de 16,3% em relação ao mesmo intervalo de 2018. O Brasil segue sendo o maior mercado externo para os carros e utilitários produzidos no país vizinho, com 65,7% das compras. O segundo maior destino é o Chile (5,7% das vendas externas), seguido de perto por Peru (5,5%) e Colômbia (5,4%).