Aston Martin paga tecnologia da Mercedes-Benz com até 20% de suas ações

Aston Martin terá acesso a novas tecnologias desenvolvidas pela Mercedes, incluindo motores híbridos e elétricos

Por REDAÇÃO AB
  • 27/10/2020 - 17:40
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    A Mercedes-Benz aumentará sua participação acionária na Aston Martin dos atuais 2,6% para até 20% nos próximos três anos, segundo comunicado divulgado na terça-feira, 27. A transação avaliada em £ 286 milhões (equivalentes a US$ 373,3 milhões) é pagamento pela transferência de tecnologia do grupo alemão, incluindo a próxima geração de powertrains híbridos e elétricos, para uso pela fabricante inglesa de carros esportivos.


    Como parte da parceria, a Mercedes receberá novas ações da Aston Martin, que segundo a própria companhia alemã não aumentará sua participação além dos 20%. As novas ações serão emitidas em várias partes até 2023, vinculadas ao lançamento de pacotes de tecnologia.

    Os principais termos e condições para o primeiro pacote e parcela de ações já foram acordados. O valor do primeiro pacote (tranche 1) será de £ 140 milhões (US$ 182,7 milhões). Neste momento, as ações a serem emitidas para a Mercedes-Benz aumentarão sua participação para 11,8%. Para os demais pacotes as empresas ainda precisam chegar a um acordo sobre o escopo da tecnologia a ser disponibilizada para a Aston Martin, o respectivo valor e os preços das peças de componentes e sistemas.

    Essa é uma extensão da primeira parceria estratégica entre as montadoras firmada em 2013, visando o fornecimento de motores AMG V8 e de componentes para a arquitetura elétrica. Em troca, a Mercedes recebeu uma participação acionária de 5% na Aston Martin. Após o IPO da Aston Martin em 2018 e várias outras rodadas de financiamento, a Mercedes-Benz agora possui participação de 2,6% na montadora britânica.

    "Já temos uma parceria de tecnologia de sucesso com a Aston Martin que beneficiou ambas as empresas. Com esta nova parceria expandida, seremos capazes de fornecer à Aston Martin acesso a novas tecnologias e componentes de ponta", disse no comunicado o chefe de estratégia de produto da Mercedes-Benz, Wolf-Dieter Kurz.

    Desde que abriu capital, há menos de dois anos, a Aston Martin tem enfrentado desafios com os altos estoques e vendas fracas. O bilionário canadense Lawrence Stroll socorreu a montadora no início deste ano e Tobias Moers, ex-chefe da divisão de desempenho da Mercedes-AMG da Daimler, substituiu Andy Palmer como CEO da Aston Martin em 1º de agosto.