Automóveis continuarão atraindo consumidores

Para Gabriela, da Adobe, produto virou commodity. O real valor está na experiência proporcionada ao cliente

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 24/09/2018 - 18:50
  • | Atualizado há 2 months
  • 57 segundos de leitura
    Os automóveis continuarão tendo uma série de componentes para atrair os consumidores, mas certamente sua forma de utilização começa a passar por mudanças. Essa foi uma das conclusões de Gabriela Viana, diretora de marketing da Adobe, durante o VI Fórum de Marketing Automotivo, realizado por Automotive Business em 24 de setembro no Milenium Centro de Convenções, em São Paulo.

    “O custo de manutenção, a segurança, o lugar para estacionar, o tempo que se passa dentro dele e o impacto ambiental são pontos que levam o consumidor a questionar a compra de um carro”, diz Gabriela.



    A executiva cita exemplos de uso por assinatura, posse compartilhada e outras fórmulas já adotadas no exterior como o Care by Volvo (para uso de carros premium), Car on Demand (por quilometragem, em que um agente entrega e busca de volta o carro utilizado), Turbi (com pontos fixos de retirada e devolução) e Joycar (que ajuda na redução de frotas). Para Gabriela, o universo de consumo está colocando a experiência do usuário como o novo campo de batalha das marcas. O produto em está se tornando apenas commodity.

    “Toda a indústria tem hoje a pressão de se reinventar”, afirma Gabriela, usando a própria Adobe como exemplo. “Até 2012 a maior parte da receita da empresa vinha da venda de caixas de CDs com os programas da empresa. Tivemos a coragem de interromper esse tipo de venda de softwares”, afirma. No modelo atual, a companhia percebeu a possibilidade de entregar aos usuários atualizações constantes.