China mantém planos de produzir Lifan no Uruguai

SUV X60 era um dos modelos Lifan montados no Uruguai

Por REDAÇÃO AB
  • 08/12/2016 - 16:58
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    A China mantém sua intenção de produzir veículos da Lifan no Uruguai, embora ainda não tenha uma data certa para retomar a montagem local. Segundo o vice-presidente da Lifan no país vizinho, Pablo Revetria, em uma entrevista ao jornal El Observador de Montevideo, a matriz chinesa sinalizou que está trabalhando em um novo plano de reestruturação da unidade, localizada na província de San José e que aguarda permissão para voltar a operar.

    A expectativa é de que o volume de produção, que já foi de 6,4 mil unidades por ano, passe para 2 mil ou no máximo 2,5 mil, a depender da data de retomada da montagem.

    Enquanto isso não acontece, a filial uruguaia decidiu demitir 150 dos 230 funcionários que ainda eram mantidos pela Lifan, após desligar ao longo do ano parte dos 340 empregados que tinha quando paralisou suas operações em março, deixando os trabalhadores em regime de seguro desemprego (leia aqui). Restam agora 80 empregados que deverão continuar no seguro. Segundo Revetria, esta era uma medida que vinha sendo adiada há meses.

    Com o anúncio das demissões, um grupo de trabalhadores associados a União dos Trabalhadores Metalúrgicos e Ramos Relacionados (UNTMRA, na sigla em espanhol), ocuparam a unidade da Lifan entre quinta-feira e sábado da semana passada. Eles reivindicaram a criação de um registro de trabalhadores para que a Lifan e outras empresas do setor possam recorrer quando for necessário. A medida ajudaria a não perder mão de obra qualificada. A posição da montadora é que a equipe não precisa ser totalmente desligada da empresa. Na próxima semana está agendada uma nova rodada de negociações no Ministério do Trabalho e Segurança Social local.

    “Tivemos que fazer uma redução de pessoal porque não se sabe quando a fábrica voltará a produzir. Entendemos que têm que permanecer no seguro desemprego os funcionários para os quais prevemos que vai haver postos de trabalho quando a fábrica reiniciar suas operações”, afirmou Revetria. “Estamos focados em deixar a situação clara para que a Lifan da China saiba que já tomamos as decisões necessárias a fim de manter uma fábrica com possibilidade de restabelecer sua produção”, completou.

    Havia expectativa de reiniciar as operações ainda neste ano, mas as condições do mercado, principalmente o brasileiro, onde a marca chegou a vender 5 mil veículos em um único ano, não se alteraram, fator que fez com que a Lifan descartasse essa possibilidade. Por enquanto, está previsto que a demanda para a América Latina seja atendida com produtos montados na Ásia.

    A unidade da Lifan no Uruguai era responsável pela montagem do utilitário esportivo X60, do sedã LF 530 e da picape Foison, tendo montado a última remessa de veículos há um ano, em dezembro de 2015, e parando totalmente as operações em março deste ano. No local, também funcionava a fábrica da Nordex, que produzia o caminhão Kia Bongo, modelos da também chinesa Geely e onde também já foram montados veículos Renault.

    Em julho deste ano, a Kia anunciou que retomaria as operações na Nordex a partir de setembro para a montagem do Bongo (leia aqui).