Citroën Aircross e C3 recebem novo câmbio automático

Transmissão de 6 marchas substitui, enfim, a velha caixa de 4 velocidades

Por MÁRIO CURCIO, AB | De Porto Feliz (SP)
  • 29/05/2017 - 23:30
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    Reportagem atualizada em 1º de junho, às 11h50.

    A Citroën conseguiu se livrar no Brasil de um grande calcanhar-de-aquiles, a antiga transmissão automática com trocas demoradas e apenas quatro marchas.

    Em seu lugar, os nacionais Aircross 1.6 e C3 1.6 passam a utilizar uma caixa Aisin de seis velocidades. A transmissão é feita no Japão.

    Já estava disponível no C4 Lounge, montado na Argentina, e nos C4 Picasso, trazidos da Espanha (veja aqui). O novo C3 automático de seis marchas parte R$ 58.490 e o Aircross com esse mesmo câmbio tem preço inicial de R$ 67.990. O 1.6 também é o mesmo em ambos os carros brasileiros.

    Ele produz agora 118 cavalos, 4 cv a menos. “Essa transmissão é mais eficiente e nos permitiu reduzir a potência e melhorar a força em rotações mais baixas. Agora, 80% do torque aparece a 1,5 mil rpm”, afirma o gerente de marketing de produto, Fábio Alves. O torque máximo é de 16,1 kgf.m a 4.750 rpm.

    A fabricante acredita em melhora na demanda com a nova transmissão: “Esperamos um aumento de 10% nas vendas desses modelos”, afirma a diretora comercial, Frida Lickel. É uma pequena alta sobre baixos volumes. Em 2016 foram vendidos em média 985 C3 e 607 Aircross por mês.

    Como se sabe, os dois modelos são montados na fábrica do Grupo PSA em Porto Real (RJ) ao lado dos Peugeot 208 e 2008, que também substituirão o velho câmbio automático por este novo em algumas semanas.

    Vale dizer que os novos Citroën também já são vendidos para portadores de necessidades especiais, o C3 na opção Attraction por R$ 41.990 e o Aircross na versão Feel, tabelada em R$ 51.990.


    Desenhos externos permanecem iguais. No Aircross, estepe traseiro permanece apenas na versão Shine, mais completa.

    Além do câmbio automático de seis marchas, os carros da linha 2018 receberam central multimídia com tela de sete polegadas como item de série. Os dois modelos continuam sendo produzidos também em versões manuais de cinco marchas, no caso do C3 com motor 1.2 Puretech flex de três cilindros e 90 cv. Para o Aircross o motor passa a ser somente o 1.6, mesmo com câmbio manual, em substituição ao 1.5 de 93 cv. E o estepe aparente na traseira só está na versão topo de linha Shine, de R$ 76,7 mil.

    DESEMPENHO

    Automotive Business dirigiu o Aircross 2018 com câmbio automático de seis marchas por cerca de 20 quilômetros. Ainda não dá para dizer que o carro é empolgante, mas as respostas melhoraram e pouco se ouve o som do motor a 100 km/h.

    Essa transmissão permite trocas sequenciais, mas só na alavanca de mudanças. Faltaram as aletas atrás do volante, que tornariam realmente completa essa renovação. É um pênalti que boa parte dos consumidores não vai perdoar.

    O câmbio automático de seis velocidades tem três opções de condução tanto para o Aircross como para o C3: normal, esportiva e econômica, que reduz em até 5% o consumo em relação à caixa anterior de quatro marchas.


    Interiores do C3 (à esquerda) e do Aircross se diferenciam em detalhes de acabamento, como em um "jogo dos sete erros".

    De acordo com a montadora, seu desenvolvimento nos dois modelos nacionais resultou de 300 mil quilômetros rodados com 132 carros e 250 profissionais envolvidos diretamente no projeto.

    Veja abaixo os preços das novas opções automáticas:

    C3 1.6 Attraction PCD (para pessoas com deficiência) – R$ 41.990
    C3 1.6 Attraction – R$ 58.540
    C3 1.6 Tendance – R$ 61.940
    C3 1.6 Exclusive – R$ 65.490
    Aircross 1.6 Feel PCD (para pessoas com deficiência) – R$ 51.990
    Aircross 1.6 Live – R$ 67.990
    Aircross Shine – R$ 76.400.

    Assista ao vídeo com os novos C3, Aircross e C4 Picasso: