Consórcios registram 1,4 milhão de novas cotas até agosto

Crescimento da modalidade continua alavancado pelas motocicletas

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 24/10/2018 - 20:47
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    A venda de novas cotas de consórcio entre janeiro e agosto somou 1,4 milhão de unidades, registrando alta de 8,3% sobre o mesmo período do ano passado. O crescimento do setor continua sendo alavancado pelo segmento de duas rodas. Nos oito primeiros meses do ano foram vendidas 641,7 mil novas cotas para motocicletas, volume 14,2% superior ao registrado em iguais meses de 2017.

    Os números foram divulgados pela Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio (Abac). O maior volume de vendas, no entanto, permanece entre os automóveis e comerciais leves, segmento em que as novas cotas somaram no período até agosto 740,5 mil unidades. Já o crescimento foi de apenas 3%. Essa redução de procura pela modalidade costuma ocorrer quando a oferta de crédito por CDC aumenta e o consumidor acaba atraído pela disponibilidade imediata do veículo.

    O segmento de leves acumula 3,6 milhões de participantes ativos (aqueles que continuam pagando as parcelas, tendo ou não sido contemplados). Esse volume cresceu 4% na comparação interanual. As contemplações, traduzidas em cartas de crédito emitidas, somaram 374,8 mil unidades e alta de 5,4% entre os leves.

    Para as motos o consórcio continua em alta por causa de ações das montadoras, em especial da Honda, que detém 80% do mercado de duas rodas e vem adotando campanhas publicitárias para essa modalidade de venda há cerca de um ano.

    Embora em menor volume, os veículos pesados (ônibus, caminhões, máquinas agrícolas e implementos) tiveram alta expressiva de 22,8% com a venda de 43,1 mil novas cotas. As contemplações no período (cartas de crédito emitidas) somaram 22,2 mil veículos pesados, 12,7% a mais que em iguais meses de 2017.

    Os pesados anotaram alta em quase todas as outras vertentes analisadas pela Abac, como participantes ativos (+7,6%), volume de créditos comercializados (+24,4%), contemplações (+12,7%) e volume de créditos disponibilizados (+12,5). A exceção ficou para o valor médio das cotas, que permaneceu em R$ 153,2 mil.

    Vale dizer que na linguagem dos consórcios o volume de créditos comercializados é o resultado da multiplicação das novas cotas por seus valores. E o de créditos disponibilizados resulta da multiplicação das cartas de crédito emitidas por seus valores.