Crise pega indústria automobilística com pátio lotado

Enquanto importações avançam, exportações podem desacelerar ainda mais

Por Agência Estado
  • 15/08/2011 - 12:01
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Agência Estado

    O mercado interno forte, que ajudou o Brasil a superar a crise de 2008, pode não ter o mesmo peso desta vez. A turbulência que se abateu sobre a economia mundial nos últimos dias pega a indústria automobilística brasileira com pátios lotados de carros - o suficiente para mais de um mês de vendas. Algumas empresas estão reduzindo o ritmo de produção com férias coletivas.

    As exportações, que já vinham cambaleantes por causa da valorização do real, serão ainda mais penalizadas e as importações - a mais recente preocupação do setor - devem se intensificar. O pacote de ajuda à indústria, com medidas para melhorar a competitividade nacional, sequer está pronto, mas seus efeitos podem ser anulados pelo agravamento da crise atual.

    “O Brasil é visto como um mercado comprador e todo mundo vai querer desovar seus produtos aqui”, afirma o presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), Paulo Butori. Ele ressalta que o produto brasileiro está, em média, 30% a 35% mais caro que os principais concorrentes. A demanda interna também pode sofrer abalos, até mesmo por causa da esperada queda dos preços das commodities, que pode provocar um efeito dominó na economia brasileira e levar à queda do consumo em geral.

    Executivos de montadoras e consultores veem o cenário com preocupação, mas estão menos pessimistas que Butori. “Diferentemente de 2008, quando o crédito secou, desta vez me parece mais uma crise política do que econômica”, diz o presidente da General Motors na América do Sul, Jaime Ardila. A seu ver, nenhuma empresa cogita mudar planos de investimentos. Ardila também teme o aumento na importação de veículos, que pode impactar na produção local.

    Estoques

    O mercado interno segue aquecido. Até quinta-feira, as vendas totais no ano somavam 2,167 milhões de veículos, 9,3% a mais que em igual período de 2010. Montadoras e concessionários, porém, iniciaram agosto com 341,9 mil carros nos estoques, mais que os 306,2 mil veículos vendidos e os 307,2 mil produzidos em julho.

    Apesar de elevados, a indústria ressalta que, em 2008, os estoques chegaram a 60 dias. Este mês, o setor trabalha com projeção de vendas de 340 mil unidades, em parte por causa do maior número de dias úteis. Se confirmado, será o melhor agosto em vendas na história e o melhor mês do ano.

    “O mercado brasileiro é fortemente incentivado pelo crédito, renda e confiança do consumidor, que não foram abalados”, afirma Marcelo Cioffi, sócio da PricewaterhouseCoopers. O País, em sua visão, caminha para mais um recorde de vendas, com números próximos a 3,7 milhões de veículos até o fim do ano, previsão compartilhada por Ardila. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.