Cummins acredita no Brasil

Para Luís Pasquotto, vice-presidente da empresa, Copa, Olimpíadas e pré-sal abrem oportunidades

Por Mário Curcio, AB
  • 23/09/2011 - 11:00
  • | Atualizado há 2 months
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Mário Curcio

    Durante a apresentação da linha de motores Proconve P7, o vice-presidente mundial da Cummins, Luís Pasquotto, revelou otimismo para as operações no Brasil. “Falando somente em Copa do Mundo e Olimpíadas, haverá grandes investimentos em infraestrutura. Novos hotéis precisarão de geradores, assim como os canteiros de obras”, recorda o executivo, cuja companhia produz motores não só para caminhões e ônibus, mas também para equipamentos de construção, geração de energia e aplicações náuticas, por exemplo.

    A exploração do petróleo no pré-sal também abre perspectiva de negócios para a companhia. “Isso tudo vai gerar a movimentação de embarcações que utilizam motores a diesel para movimentar-se e outros como geradores. As plataformas de petróleo também utilizam motores a diesel”, recorda Pasquotto.

    “Em 2010 o faturamento da Cummins na América do Sul foi de US$ 1,3 bilhão. Em 2014 serão US$ 2,2 bilhões”, diz. Por causa da entrada em vigor em janeiro do Proconve P7 (conjunto de normas para redução de emissões), haverá alta de cerca de 8% a 15% nos preços caminhões. Em tese, isso tende a antecipar compras neste fim de ano e desaquecer o mercado em 2012. Sobre o assunto, Pasquotto reflete: “Deve haver uma queda de 8% a 15%.”

    Automotive Business perguntou a ele se uma redução expressiva como essa (15%) poderia resultar em demissões: “Não acreditamos nisso”, disse, citando o cenário favorável (Copa, Jogos Olímpicos e exploração de petróleo).

    A Cummins continuará produzindo no Brasil os motores Proconve P6 para atender aos países da América do Sul que não aderiram aos novos limites de emissões, mas não fará por produtos com a tecnologia EGR (que reduz as emissões pela recirculação de gases), já que só fornecerá para os clientes brasileiros propulsores SCR (que adotam reservatório com composto de ureia, Arla 32).