Dilma: defesa do mercado e cuidado com protecionismo

Presidente diz a Veja que impostos têm de cair e investimentos aumentar

Por Redação AB
  • 25/03/2012 - 17:24
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Dilma Roussef em reunião com empresários. Foto de Wilson Dias, da Agência Brasil

    Redação AB

    Dilma Roussef concedeu entrevista à revista Veja na quinta-feira passada, depois do encontro promovido com 28 empresários em Brasília, e admitiu estar de acordo que os impostos têm de cair, os investimentos privados e estatais têm de aumentar e o que precisar ser feito para elevar a produtividade da economia brasileira e sua competitividade externa será feito.

    “O Brasil está em uma situação agora em que podemos dizer aos países ricos que não queremos o dinheiro deles. Eu disse isso com toda a clareza à chanceler Angela Merkel durante minha visita à Alemanha”, explicou.

    A presidente da República alertou que o protecionismo é uma maneira permanente de ver o mundo exterior como hostil, o que leva ao fechamento da economia. “Isso não faremos. Já foi tentado no passado no Brasil com consequências desastrosas para o nosso desenvolvimento. Cito aqui o caso da reserva de mercado para computadores, que, nos anos 80, atrasou a modernização do parque industrial e nos privou de tecnologias essenciais. Não vamos fechar o país. Ao contrário, queremos investimentos estrangeiros produtivos. Mas vamos, sim, defender as nossas empresas, os nossos empregos”.

    Dilma disse, ainda, que a China está dando sinais evidentes de fadiga do modelo focado fortemente na exportação. Isso significaria a abertura à importação de bens de consumo brasileiros, além de commodities.