Dilma diz que governo não vai abandonar a indústria

Presidente afirma que incentivo à produção é reação aos impactos da crise internacional

Por Renata Giraldi, Agência Brasil
  • 03/04/2012 - 16:10
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Renata Giraldi, Agência Brasil

    A presidente Dilma Rousseff ressaltou na terça-feira, 3, que o lançamento de medidas de incentivo à indústria é uma reação aos impactos da crise econômica internacional e ao protecionismo adotado por alguns países desenvolvidos. Para ela, é possível garantir o estímulo ao setor industrial, o aquecimento da economia, sem adotar ações que prejudiquem os trabalhadores brasileiros.

    -Confira aqui as medidas de estímulo ao setor automotivo

    Dilma disse ainda que o modelo de desenvolvimento econômico brasileiro exige uma indústria forte e inovadora. “A melhor saída para a crise não está na velha receita da recessão e da precarização do trabalho. Essa tem sido para nós a fórmula do fracasso”, disse Dilma, sem se referir diretamente às medidas adotadas por alguns países europeus.

    Em seguida, a presidente ressaltou que o Brasil demonstra que não existe incompatibilidade entre cortar gastos e permitir o crescimento econômico. “É possível gastar com parcimônia”, disse. “O governo não vai abandonar a indústria brasileira”, completou.

    Dilma destacou que o governo tem os “instrumentos” necessários para garantir os incentivos à produção interna e que “não vai deixar” de usá-los. A presidenta pediu o apoio dos 19 conselhos formados por empresários, trabalhadores e integrantes do governo que representam 11 setores da produção nacional.

    “Esse grande conjunto está orientado por um grande propósito: estimular o desenvolvimento produtivo no Brasil. Vamos estimular as exportações para que as empresas invistam e ganhem produtividade. País rico é o que investe, cria empregos e se torna cada vez mais competitivo”, destacou.

    Segundo Dilma, para executar medidas estruturais é necessário colocá-las em prática por etapas, sem açodamento. A presidenta reiterou que os efeitos da crise econômica internacional são acompanhados “atentamente” pelo governo. Ela lembrou que as medidas adotadas de forma pontual são mais eficientes, pois a economia é dinâmica.

    “Precisamos de um acompanhamento sistemático porque a economia é dinâmica e requer do governo ações constantes”, destacou a presidenta, cobrando empenho na execução de todos os presentes no lançamento das medidas. “Meu governo estará sempre ao lado do desenvolvimento com a proteção da indústria e do emprego.”

    Assista ao pronunciamento da presidente Dilma Roussef: