É mais barato usar veículo elétrico, conclui CPFL

Estudo sobre mobilidade elétrica também mostra baixo consumo de energia

Por REDAÇÃO AB
  • 08/10/2014 - 13:54
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    Utilizar um veículo 100% elétrico é quase quatro vezes mais barato do que o uso de um carro convencional, com motor a combustão. Esta é a conclusão da primeira fase do Programa de Mobilidade Elétrica e do projeto de pesquisa e desenvolvimento da CPFL Energia que estuda os impactos da utilização de veículos elétricos. Os dados levantados durante a pesquisa pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) constatam que o valor do quilômetro rodado em um carro convencional, considerando o uso de etanol, é de aproximadamente R$ 0,19, enquanto o veículo elétrico percorre a mesma distância com um custo de R$ 0,05.

    Iniciada em 2013, a pesquisa receberá R$ 21,2 milhões em recursos até 2018 para aplicação dos demais estudos, infraestrutura e veículos.

    Segundo a CPFL, que contou com CPqD e Unicamp para os estudos, um dos objetivos da primeira fase do programa é também determinar o impacto para a carga de energia elétrica com a utilização em massa de veículos elétricos. Suas projeções iniciais apontam que o uso desta tecnologia, considerando uma frota de veículos elétricos de 5 milhões de unidades, projetada para 2030, consumiria 0,6% da carga total do Sistema Interligado Nacional de energia elétrica. Se a frota fosse de 13,3 milhões de veículos elétricos, este consumo não passaria de 1,7%, aponta, as previsões.

    Para levantar os dados de economia de custo e de consumo, foram utilizados seis carros, modelo Renault Zoe, que percorreram quase 17 mil quilômetros e consumiram 3.249 KWh de energia, equivalente ao consumo de 16 residências durante um mês. Os veículos deixaram de emitir 2,3 toneladas de CO2 (dióxido de carbono), o total de gás emitido por 27 automóveis populares que rodem 15 quilômetros por dia durante um mês.

    “Nossa intenção é estudar amplamente o tema de mobilidade elétrica no Brasil e desmistificá-lo em todos os seus aspectos, confirmando até o fim da pesquisa que o impacto na demanda de energia adicional é controlável. Os investimentos já considerados para expansão do sistema elétrico no País são capazes de suportar a ampliação da demanda por energia trazida com a utilização em massa dos veículos elétricos”, explica Rafael Lazzaretti, gerente de Inovação da CPFL Energia.

    Os modelos em teste foram utilizados em um laboratório real de mobilidade elétrica e pelas empresas Natura e a 3M. A empresa aproveitou o retorno da primeira viagem do Renault Zoe entre a capital paulista e Campinas para divulgar os dados, marcado pelo reabastecimento do veículo na inauguração de um eletroposto no shopping Paulista, no centro da cidade, na manhã de quarta-feira, 8.

    Outro estudo, realizado pela hidrelétrica de Itaipu, que também mantém estudos de mobilidade elétrica dentro da área da usina, também concluiu baixo consumo dos veículos elétricos (leia aqui).