Em nova projeção, Fenabrave prevê aumento de 10,6% na venda de motos em 2019

Volume deve atingir as 1,04 milhão de unidades, aponta entidade; previsão anterior indicava 1,02 milhão

Por SUELI REIS, AB
  • 02/07/2019 - 19:03
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura
    Em uma nova projeção de mercado divulgada na terça-feira, 2, a Fenabrave prevê que as vendas de motos devem crescer 10,6% em 2019 quando comparadas com o resultado do ano anterior, para um total de 1,04 milhão de unidades. Na previsão anterior, divulgada em abril, a entidade que reúne o setor de concessionárias e distribuição esperava licenciar pouco mais de 1,02 milhão de motos, o que então representava crescimento de 9,2% sobre as 940,3 mil licenciadas em 2018.



    - Faça aqui o download dos dados da Fenabrave
    - Veja outras estatísticas em AB Inteligência



    A revisão das projeções acontece em um momento de retomada do mercado de duas rodas. No primeiro semestre, as vendas do segmento avançaram 16% sobre mesmo intervalo do ano passado, ao totalizar 530,1 mil unidades.

    No resultado isolado de junho, os emplacamentos somaram pouco mais de 80 mil motos, aumento de 8% sobre idêntico mês de 2018. Por outro lado, este volume ficou 18,3% abaixo do registrado em maio, quando o mercado emplacou 98 mil unidades.

    Segundo Carlos Porto, vice-presidente da Fenabrave para o segmento de motocicletas, as vendas foram prejudicadas pelo menor número de dias úteis: foram 19 em junho contra 22 em maio.

    “Além da quantidade de dias úteis a menos em junho, as vendas de motocicletas estão represadas por conta da falta de produtos: as fabricantes, com falta de componentes, ainda não conseguiram acelerar o ritmo de produção, para acompanhar a nova demanda pós-crise. Com isso, as motos, de até 250 cilindradas, estão sentindo mais esse impacto negativo e esse segmento representa 80% das vendas deste segmento”, explica Porto.

    O executivo aponta ainda que o ticket de aprovação de crédito está melhorando para o segmento e atingiu o nível de 40% de aprovação em junho.