Energia brasileira ainda custará mais que a média

Presidente Dilma Rousseff afirmou que as tarifas de energia terão redução de até 28% para a indústria e de 16,2% para residências (foto: divulgação)

Por REDAÇÃO AB
  • 10/09/2012 - 10:56
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    A redução anunciada pela presidente Dilma Rousseff vai tirar o Brasil do topo do ranking das tarifas de energia mais caras do mundo, o que deve acelerar o crescimento econômico do País. A partir de 2013, as tarifas de energia residenciais cairão 16,2% e as industriais, até 28%.

    Segundo reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) considerou a decisão como um fato histórico. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) também comemorou a medida em razão de a energia elétrica ser um dos importantes componentes do custo Brasil, conjunto de fatores prejudiciais à competitividade dos produtos brasileiros.

    A reportagem do Estadão também ouviu a Associação Nacional dos Consumidores de Energia (Anace), que se mostrou menos otimista. Para a entidade, o preço da energia elétrica no Brasil continuará acima da média mundial. A associação afirma que os preços da energia precisariam cair 35% na área industrial para ficar próximos à média global.

    O corte de 35% também faz parte de um estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). De acordo com a entidade, o custo médio da energia no Brasil, com base no mercado cativo, é de R$ 329 o megawatt-hora (MWh). A média mundial é de R$ 215,5 o MWh.

    O jornal O Estado de S. Paulo ouviu o presidente da Anace, Carlos Faria. Ele pondera que a redução de preço da energia elétrica pode trazer problemas se for vinculada à renovação das concessões que estão para vencer. “Esses ativos que terão suas concessões renovadas já estão depreciados e, se tiverem seus preços reduzidos de forma aleatória, podem ser prejudicados, o que vai acabar afetando o consumidor final.”

    O executivo acredita que as medidas podem limitar ainda mais a participação do mercado livre de energia, já que, em sua avaliação, a presidente está usando um discurso estatizante.