Euro 4: melhor seria olhar para a frota toda

O quadro da frota de caminhões apresenta hoje a seguinte composição, sob o ponto de vista de emissões: há 43% de veículos Euro Zero, 16% de Euro 1, 26% de Euro 2 e 15% de Euro 3.

Por Automotive Business
  • 18/09/2008 - 00:00
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    O quadro da frota de caminhões apresenta hoje a seguinte composição, sob o ponto de vista de emissões: há 43% de veículos Euro Zero, 16% de Euro 1, 26% de Euro 2 e 15% de Euro 3. Os dados foram compilados por Mauro Simões e apresentados no fórum de tecnologias diesel da SAE realizado em Curitiba, no final de agosto. A frota é velha, com idade média de 11 anos e três meses em 2007, segundo estudo do Sindipeças. Ainda que os veículos antigos sejam submetidos a inspeção veicular não ficarão melhores do que quando saíram da fábrica – do ponto de vista veicular há pouco a fazer para modificar o sistema combustão e exaustão. Não basta ‘colocar’ um filtro ou outro dispositivo no escapamento. Convém lembrar, ainda, que um diesel melhor vai apenas atenuar as emissões desses veículos. Assim, enquanto as atenções se voltam para a introdução das normas Euro 4, a maior fonte de perigo à saúde das pessoas que vivem nas metrópoles é a frota atual – em especial, os caminhões mais antigos. Enquanto se pensa na moldura, o problema está no quadro todo – diria alguém. É claro que não se pretende empurrar de barriga o avanço da legislação e a oferta de caminhões novos com emissões próximas de zero, mas a maioria dos especialistas certamente concordará que um programa eficiente de recuperação da frota atual, com a retirada de circulação de caminhões inaceitáveis, seria o caminho mais sensato e prioritário. Para que a depuração da frota funcione, deverá haver um sistema de estímulo à compra do caminhão novo – seja ele Euro 3 ou Euro 4. Ao mesmo tempo, seria louvável se o enorme teatro em torno da vigência das normas Euro 4 chegasse ao fim, com os atores chamados à responsabilidade e atuação ética, sob a vigilância. Mudaria a peça em cartaz: o salto para Euro 5. E haveria um esforço geral para compensar a sujeira que está ficando para trás.