Fábricas da Lifan e Nordex param no Uruguai

Linha Bongo na Nordex recebeu investimento inicial de US$ 25 milhões (foto: Mário Curcio)

Por REDAÇÃO AB
  • 24/03/2016 - 17:35
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura
    A queda de vendas no Brasil resultou na paralisação total das linhas de montagem de veículos uruguaias da Lifan e da Nordex. Todos os funcionários de ambas as unidades, 440 trabalhadores ao todo, estão no seguro-desemprego. A notícia foi divulgada pelo jornal uruguaio El Pais. A unidade da Lifan é responsável pela montagem do utilitário esportivo X60, o sedã LF 530 e a picape Foison. A Nordex produzia o caminhão Kia Bongo e modelos Geely.

    O gerente-geral da Lifan no Uruguai, Pablo Revetria, recorda que a produção estava parada havia algum tempo. Em fevereiro a Lifan do Brasil já havia confirmado a interrupção nas atividades, com funcionários cumprindo layoff ou em férias coletivas. O diretor comercial no Brasil, Jair de Oliveira, já temia medidas mais drásticas até abril e a empresa adiou o lançamento do utilitário esportivo X50 no Brasil para 2017.

    Segundo o gerente uruguaio da Lifan, a situação econômica, a crise política, a taxa de câmbio e a queda de vendas “tornaram-se problemas insustentáveis e a gestão da empresa na China decidiu parar a produção e enviar os trabalhadores para o seguro-desemprego”. De acordo com a reportagem do El Pais, Revetria continua a monitorar a situação no Brasil e a enviar relatórios para a matriz chinesa à espera de uma nova resolução.

    A Lifan terá de lidar também com outras decisões: “É preciso definir se voltamos a produzir este ano e, em caso afirmativo, em que momento e com quantas pessoas. O fato é que o Brasil levará algum tempo para se recuperar. E quando a produção for retomada, sem dúvida será preciso menos gente do que tínhamos porque os volumes serão muito menores”, crê o gerente-geral. De acordo com a reportagem, 270 trabalhadores foram enviados para o seguro-desemprego.

    O executivo reforça que os chineses continuarão presentes no Brasil e agora na Argentina (onde a Lifan começa a ingressar) e por isso manterão a fábrica uruguaia, só não se sabe quando recomeçará a produção, já que a Lifan teria um estoque capaz de abastecer o Brasil por sete ou oito meses.

    A situação da Nordex é semelhante. O diretor da empresa, Nelson Rebelo, informou ao jornal que a fábrica está parada, com seus 170 trabalhadores no seguro-desemprego. "A queda da economia brasileira nos levou a ficar sem atividade porque a maior parte da nossa produção vai para o Brasil, já que faz tempo que não exportamos para a Argentina e por isso estamos com estoque elevado”, disse o executivo.

    Na Nordex também não há a intenção de parar de produzir definitivamente. Rebelo disse que a situação atual é a mesma da Lifan, "mas com alta probabilidade de retomar a montagem de veículos em um par de meses".

    Segundo a Kia Motors do Brasil, a interrupção da montagem do Bongo no Uruguai é momentânea por causa da retração de mercado e será retomada assim que possível. O mesmo seria válido para os carros Geely, que são representados pelo mesmo grupo da Kia no Brasil.

    Em 2015 o Uruguai exportou 30,2% menos carros que no ano anterior. Os fabricantes de autopeças instalados no país também sofrem as consequências da crise brasileira. Os embarques para o Brasil no primeiro bimestre caíram quase pela metade em relação ao mesmo período de 2015, de US$ 15,5 milhões para US$ 8,6 milhões, de acordo com o Instituto Uruguay XXI. As exportações totais em 2015 (US$ 196,2 milhões) recuaram 20,7%.