Fábricas de implementos estão confiantes na Fenatran

Empresas do setor esperam segundo semestre aquecido e 2019 com crescimento de 20%

Por MAURO CASSANE, PARA AB
  • 27/05/2019 - 15:46
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    O presidente da Anfir, Norberto Fabris, disse em sua palestra no Automotive Business Experience, ABX19, evento realizado segunda-feira, 27, no São Paulo Expo, que o setor de implementos espera expansão de 20% no volume de implementos emplacados neste ano em comparação com o ano passado, quando foram comercializados 90.195 produtos, registrando faturamento de R$ 4,8 bilhões.

    “Este ano será o segundo consecutivo de recuperação. No primeiro quadrimestre deste ano já estamos com um volume 45% superior ao registrado no ano passado”, diz o executivo.



    Fabris ressalta que a linha de carretas (veículos pesados) foi a que mais cresceu neste ano (61% a mais), mas que a linha de leves, embora com expansão positiva, registra crescimento mais tímido (de 29%).

    O presidente da Anfir disse em sua apresentação aos participantes do seminário que o grande problema nacional ainda é a infraestrutura precária, especialmente das estradas. “Temos de desenvolver e produzir carretas considerando estradas ruins, por isso é preciso reforçar todo o equipamento, o que os torna sempre mais caros e menos competitivos.”

    Fabris acredita que o mercado vai apresentar crescimento sustentável nos próximos anos. Mas diz que as implementadoras, na crise, aprenderam que uma boa alternativa é, também, conquistar mercados externos. “As exportações para países da América do Sul e África salvaram a indústria durante a crise.” O executivo diz que a indústria de implementos chegou a ter, no auge no mercado, em 2012, 75 mil colaboradores. “Baixamos para 38 mil em 2016 e, neste ano, em recuperação, já registramos 45 mil empregos no setor.”

    Para Fabris, a Fenatran de 2017, foi marcante para os implementadores. “Foi a feira da retomada e fechamos centenas de negócios. No evento deste ano já reservamos uma área 80% maior e nossa expectativa é de batermos novo recorde de negócios realizados na feira.”

    De acordo com Fabris, o elevado número de implementos pesados vendidos neste ano se dá porque o agronegócio vem apresentando, desde o ano passado, forte expansão. Por outro lado, o desempenho mais tímido dos implementos leves é justificado pelo ainda fraco desempenho do comércio.