Fábricas de motos se dividem em volta ao trabalho e redução salarial

Linha de produção da Yamaha em Manaus: volta ao trabalho sem definição sobre redução de jornada e salários

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 30/04/2020 - 19:02
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura


    A Yamaha também estuda aderir à Medida Provisória 936, que prevê a suspensão de contratos de trabalho, redução de jornada e salários como forma de enfrentar a pandemia de Covid-19. A empresa produz motos em Manaus, onde emprega 1,7 mil trabalhadores. Sua produção foi retomada na quinta-feira, 30.

    Em Guarulhos, onde ficam escritórios, centro de peças e outros departamentos da Yamaha, há funcionários atuando em home office ou em férias coletivas, ainda sem retorno definido. São 700 trabalhadores. A Yamaha é a segunda maior fabricante de motos do País, com fatia próxima a 14%.

    Na terça-feira, 28, a Moto Honda da Amazônia, líder de mercado, comunicou sua adesão à MP 936 ao mesmo tempo em que prorrogou o retorno para 18 de maio. A data também foi escolhida pela BMW. No entanto, a montadora de origem alemã informa que ainda não há medidas em negociação para a fábrica de motocicletas, só a de carros.

    A Harley-Davidson também informa que não utilizou até o momento nenhum recurso da MP 936 como suspensão de contratos ou redução de jornadas e salários. A empresa havia paralisado a fábrica em 30 de março e retomou a produção na terça-feira.