Ford entra no segmento 8x2 com Cargo Power 3031

Modelo tem duas opções de entre-eixos, câmbio manual de 9 ou automatizado de 10 marchas

Por MÁRIO CURCIO, AB | De Caxias do Sul (RS)
  • 30/08/2018 - 11:30
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    A Ford está lançando o Cargo Power 3031 8x2, seu primeiro caminhão com dois eixos direcionais. Fabricado dentro da unidade de São Bernardo do Campo (SP), o modelo utiliza motor Cummins de 306 cavalos e duas opções de transmissão fornecidas pela Eaton, manual de nove marchas ou automatizada (Torqshift) com dez. O peso bruto total (PBT) é de 29 toneladas.

    A Ford oferece taxa de 0,96% para pessoa jurídica, entrada de 20% e saldo em 48 meses. A carência é de 90 dias, em tese suficiente para instalar o implemento e pôr o caminhão para trabalhar.

    O novo Cargo também tem duas opções de distância entre eixos, 5,3 ou 6,3 metros, e cabine leito ou semileito. Os principais concorrentes são fabricados pela Mercedes-Benz, Scania, Volkswagen e Iveco. A Ford espera vender neste primeiro momento pouco mais de 20 unidades por mês.

    “Acreditamos que 80% de suas vendas sejam da versão automatizada. Os clientes estão percebendo pouco a pouco as vantagens desse sistema em economia de combustível e menor desgaste da embreagem”, afirma o diretor de vendas e marketing de Ford Caminhões, Oswaldo Ramos.



    Se a economia mantiver o ritmo de crescimento, dá para esperar algo próximo a 300 unidades do 8x2 para 2019 na soma de versões manuais e automáticas. Segundo o diretor de vendas e marketing, Oswaldo Ramos, a cervejaria Ambev já adquiriu um lote desses novos caminhões e demonstrou interesse especial pela versão automatizada.

    “A Ambev é um cliente bastante evoluído, que testa e controla a produtividade em centavos, o que no fim de um ano resulta numa grande economia”, diz o executivo da Ford Caminhões. As entregas para a cervejaria vão ocorrer entre setembro e novembro.

    O novo modelo se enquadra no segmento de semipesados, que representa 15% do mercado total de caminhões e cujas vendas cresceram 28,6% de janeiro a julho de 2018 sobre o mesmo período do ano passado. Destes semipesados, as versões 8x2 já detêm 82% do total vendido pela melhor produtividade em relação aos 6x2 (com a fatia restante, de 18%). As principais aplicações esperadas pela Ford são para o transporte de mercadorias em baú (27%), carga seca sobre carroceria aberta (22%), carga refrigerada (19%) e combustível (14%).



    Caminhão 8x2 pode ter cabine leito e semileito. O motor de 306 cv é Cummins e as transmissões, Eaton

    PRODUÇÃO EM UM TURNO


    Assim como o novo 8x2, toda a linha Cargo e também os F-350 e F-4000 são montados em São Bernardo do Campo em um turno apenas. A Ford adotou há algum tempo um modelo de trabalho chamado “Projeto Fusão”, em que os funcionários se alternavam durante os dias da semana na produção dos caminhões e do Fiesta hatch, único automóvel feito pela montadora no ABC.

    “Atualmente, de 20 dias úteis, 15 são dedicados à produção dos caminhões”, garante Oswaldo Ramos.



    No acumulado até julho a Ford vendeu 10,4 mil unidades do Fiesta, 120 carros a menos que em iguais meses do ano passado. Mas o volume total de caminhões até julho atingiu 4,8 mil unidades e aumentou 15,2%.

    “Vamos crescer 20% este ano tanto no mercado interno como na produção. Não sentimos queda nas vendas para a Argentina, onde lideramos o mercado no mês de julho, e também estamos bem nas exportações para o Chile. Ainda temos dificuldades com outros mercados porque boa parte da América adota legislação de emissões menos rigorosa que a nossa, mas estamos avançando”, diz o executivo.

    14 MODELOS AUTOMATIZADOS ATÉ O FIM DO ANO


    De acordo com a Ford, de 2017 para 2018 a participação do câmbio automatizado subiu de 37% para 56% e aumentará também em 2019. Até o fim de 2018 a Ford estenderá a transmissão Torqshift para mais sete modelos: 1419, 1519, 1719, 1933 (4x2) e também 2631, 3131 e 3133 (4x4). “Eles foram desenvolvidos no campo de provas de Tatuí (SP) e já estão prontos”, diz Ramos. Ao todo serão 14 opções automatizadas.


    Carroceria aberta para cargas secas deverá responder por mais de 20% das vendas do modelo