Fras-le melhora resultados com crescimento de 29% no lucro

Companhia equilibrou queda do mercado interno com exportações

Por REDAÇÃO AB
  • 11/11/2015 - 15:11
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    A Fras-le melhorou sua performance financeira mesmo diante da queda do mercado brasileiro. A fabricantes de autopeças alcançou lucro líquido de 44,6 milhões no acumulado de janeiro a setembro, com crescimento de 29% na comparação com igual período de 2014. A receita bruta somou R$ 871,4 milhões, com evolução de 11,4%.

    “Foi possível obter evolução nas receitas de vendas e nos principais indicadores operacionais, fato que se deve, principalmente, à diversificação de mercados e segmentos em que a Fras-le atua”, apontou em comunicado o diretor-superintendente de relações com investidores, Ricardo Raimer. O executivo destaca ainda o aumento do portfólio da empresa no período com foco em expansão das margens.

    A empresa também se beneficiou da valorização do dólar em relação ao real, já que 49,9% das receitas foram obtidas fora do Brasil. No ano passado a participação das exportações nos negócios foi menor, de 46,9%. Ainda assim, o faturamento em dólar sofreu queda de 12,6%, para US$ 101,6 milhões. Segundo a fabricante, a baixa foi motivada por alterações na plataforma logística nos Estados Unidos. Variações cambiais afetaram ainda a competitividade da companhia em países da África, Europa e Oriente Médio.

    A performance até setembro garantem à Fras-le boas perspectivas para o último trimestre de 2015. A fabricante de componentes espera manutenção dos resultados obtidos até então. Para isso, a empresa promove uma série de ações internas, como a utilização mais eficiente do parque fabril e dos recursos disponíveis para atender a demanda de mercado. “Com as unidades no exterior se consolidando nesta estratégia global, triangulação fabril Brasil-Estados Unidos-China e também unidades de distribuição e escritórios regionais mais próximos dos clientes, é possível acreditar em uma tendência de avanços contínuos”, avalia Raimer.