Frédéric Drouin confia em retomada da Peugeot no País

Frédéric Drouin:

Por MÁRIO CURCIO, AB | De Campos do Jordão (SP)
  • 04/06/2012 - 13:43
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura
    Durante a apresentação do Peugeot 508, sedã de R$ 119.990 cujas vendas começam esta semana, Automotive Business entrevistou o diretor-geral da marca para o Brasil e América Latina, Frédéric Drouin. O executivo falou da expectativa pela chegada do modelo 208 em 2013 e também sobre a reação do mercado às recentes medidas adotadas pelo governo para incentivar as vendas.

    Automotive Business - Em que mês começam a produção e as vendas do 208? Que motores ele terá e qual será seu principal concorrente?

    Frédéric Drouin - Por causa da estratégia que envolve o produto, não posso falar de motores e outros detalhes, apenas que ele começa a ser produzido no fim deste ano e que suas vendas têm início no primeiro semestre de 2013. Ele terá vários concorrentes de diferentes marcas.

    Recentemente, a Peugeot mostrou o sedã 301, desenvolvido para mercados emergentes. Ele será produzido no Brasil? Pelas características do modelo, ele teria espaço aqui e concorreria com Renault Logan, Nissan Versa, Chevrolet Cobalt...

    Costumo brincar e dizer que o Brasil não é mais um país emergente, por isso o carro não será feito aqui. Na verdade, não será produzido aqui nem na Argentina porque isso demandaria um grande investimento. Nossa prioridade será fortalecer a Peugeot nos segmentos em que já atua. Outro esforço é para ampliar a rede. Temos hoje 167 revendas. No início de 2013 serão 190.

    O que vai ocorrer com a linha 207 com a produção do 208?

    O 207 permanece em produção. A linha será reposicionada.

    As vendas no Brasil deram sinais de enfraquecimento nos primeiros meses do ano. Isso já teve algum reflexo negativo na matriz?

    Não, estamos mais do que nunca acreditando no potencial brasileiro. O poder de reação do mercado (às medidas anunciadas pelo governo em 21 de maio) foi impressionante, acima do esperado.

    A Peugeot perdeu participação em relação a 2011 nos primeiros meses e não terá outro lançamento de volume além do 308 até o fim do ano. Como a marca deve terminar 2012?

    Esperamos participação maior do que no ano passado por causa do 308 (que chegou à rede em março). Devemos crescer acima do mercado, mas não dá para arriscar um porcentual. Vai depender da evolução do setor com as medidas adotadas. Mas teremos um crescimento importante em 2013 por causa do 208.