General Motors vai reduzir salários entre 5% e 25% no País

Trabalhadores de São Caetano do Sul (foto) e do campo de provas aprovaram acordo que prevê redução salarial

Por REDAÇÃO AB
  • 01/04/2020 - 19:40
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    A General Motors vai reduzir de 5% a 25% os salários no País em um programa de layoff que impacta a maior parte de seus trabalhadores horistas e mensalistas em todas as áreas e níveis. A redução dos ganhos vai variar de acordo com a faixa salarial.

    A medida é temporária e faz parte de um pacote proposto pela montadora e aceito em assembleias digitais promovidas pelos sindicatos responsáveis pela fábrica de São Caetano do Sul (SP) e pelo campo de provas, em Indaiatuba (SP). A intenção de reduzir salários foi divulgada pela montadora na segunda-feira, 30.

    Ainda pelo pacote, empregados até o nível de gerência terão uma hora de redução na jornada diária e 12,5% de abatimento no salário bruto. Para executivos de nível de diretoria e acima, o impacto será de 25% de redução no salário bruto.

    Segundo a GM, as medidas terão duração inicial de dois meses, com possibilidade de extensão a cinco, podendo ser canceladas “com o retorno da demanda do mercado a uma situação de normalidade”. A General Motors tenta aprovar essas mesmas propostas nas demais unidades: Gravataí (RS), Joinville (SC), Mogi das Cruzes e São José dos Campos (ambas em SP).

    Em resposta, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região propôs duas alternativas à GM para manter os trabalhadores em casa como prevenção à Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

    Uma das propostas é a licença remunerada por dois meses, prorrogável por mais dois, e estabilidade no emprego por um ano para todos os trabalhadores do complexo industrial.

    A outra é a adoção do layoff, mas com 100% do salário líquido por dois meses, prorrogável por mais dois, também com um ano de estabilidade para todos. A resposta será dada pela montadora ao sindicato na quinta-feira, 2. O resultado das negociações será submetido à votação eletrônica dos metalúrgicos em data a ser definida.

    “A GM tem condições de assumir os custos desta situação e garantir a estabilidade de emprego. Os trabalhadores não têm como absorver redução de salário. O próprio layoff já representa economia para a GM. Não dá para penalizar os funcionários num momento sério como este”, afirma o vice-presidente do sindicato, Renato Almeida.