Global NCAP recomenda uso obrigatório de ESC em veículos no Brasil

Pesquisa da entidade revela que o sistema pode salvar 34 mil vidas até 2030 no País

Por REDAÇÃO AB
  • 18/11/2015 - 16:53
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura
    O Global NCAP recomendou ao governo brasileiro que torne obrigatório o uso do controle eletrônico de estabilidade (ESC) em veículos produzidos localmente. A indicação foi feita pela entidade durante o lançamento da campanha mundial Stop the Crash como parte da programação da 2ª Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito que acontece até quinta-feira, 19, em Brasília.

    “O ESC é uma tecnologia vital para salvar vidas e que pode evitar colisões ao invés de apenas proteger as pessoas quando uma ocorre. Nossa mais recente pesquisa mostra que centenas de milhares de mortes e ferimentos graves poderiam ser evitados no Brasil se o ESC e um pacote de outros regulamentos da ONU fossem introduzidos. É por isso que o Global NCAP recomenda que o governo brasileiro, que já instituiu em 2014 a obrigação de uso do freio ABS agora faça o mesmo para o ESC”, declarou David Ward, secretário-geral da Global NCAP e presidente da Stop the Crash.

    Uma pesquisa encomendada pelo Global NCAP revelou que 34 mil vidas podem ser salvas e impedir que 350 mil pessoas sejam feridas gravemente até 2030 se o regulamento de segurança da ONU, incluindo o ESC, sejam adotadas na legislação brasileira.

    O controle eletrônico de estabilidade é considerado um dos desenvolvimentos mais importantes relacionados à segurança desde o cinto de segurança. Nos Estados Unidos, onde o sistema se tornou obrigatório em 2012, estima-se que mais de 6 mil vidas foram poupadas devido ao uso desta tecnologia de prevenção de acidentes. Além dos Estados Unidos, o ESC é obrigatório na Austrália, Canadá, países da União Europeia, Israel, Japão, Nova Zelândia, Rússia, Coréia do Sul, Turquia e em breve também será na Argentina.

    Em seu mais recente relatório sobre a situação mundial da segurança viária, a Organização Mundial da Saúde (OMS) expressou preocupação com relação aos fabricantes globais, a quem é exigida a instalação do ESC em mercados mais desenvolvidos, que podem vender o mesmo modelo sem a tecnologia se o país não exigir a normativa. A fim de evitar a falta de especificação de tecnologias de segurança, a OMS estabelece que o sistema ESC "deve ser obrigatório em todos os veículos”. Considerando que o sistema também pode ser empregado em veículos comerciais, tais como caminhões, ônibus e similares, a OMS reforça que há enorme potencial em poupar vidas a ser explorado a partir do aproveitamento da tecnologia em toda a frota mundial.

    Como parte do lançamento da campanha, o Global NCAP promoveu na quinta-feira, 17, uma série de demonstrações de tecnologias de segurança viária, tais como o próprio ESC, freios anti bloqueio de rodas (ABS) para motocicletas e o sistema de frenagem autônomo de emergência (AEB). O evento contou com a presença do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, que ressaltou os avanços da regulamentação brasileira que obriga o uso do cinto de segurança, do apoio de cabeça em todos os assentos do veículo, dos freios ABS e do sistema Isofix, que aumenta a segurança na fixação de cadeiras infantis. O ministro admitiu, no entanto, que o Brasil ainda precisa avançar nesta área.

    “Apesar da legislação de segurança veicular ter evoluído bastante no Brasil, muito ainda há que ser feito para tornar o veículo brasileiro tão seguro quanto os veículos vendidos nos países desenvolvidos. Tal situação reflete-se em toda a região latino-americana, como mostram os resultados de ensaios independentes, como aqueles que são realizados pela Global NCAP, por meio de seu braço regional, a Latin NCAP”, afirmou.