GM confirma produção de uma nova picape no Brasil

Fábrica de São Caetano do Sul está sendo preparada para receber a nova picape da GM

Por REDAÇÃO AB
  • 10/05/2021 - 11:49
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    A General Motors do Brasil confirmou nesta segunda-feira, 10, que vai produzir uma nova picape no complexo industrial de São Caetano do Sul (SP). A empresa disse que o modelo vai ser o próximo integrante da sua família de veículos globais formada por Onix, Onix Plus e Tracker.

    O modelo será uma picape que ficará numa faixa de mercado situada entre a finada Montana e a atual S10 e vai concorrer diretamente com a Fiat Toro, que hoje domina esse segmento – no acumulado de janeiro a abril, ela já comercializou 24.245 unidades, muito à frente da segunda colocada, a Renault Oroch, com 4.018 veículos. A picape média da Chevrolet, a S10, emplacou no período 7.518 unidades, atrás da líder Toyota Hilux (12.569) e Ford Ranger (7.626).

    O lançamento faz parte de um ciclo de investimento da GM de R$ 10 bilhões, anunciado em 2019 e que é destinado às fábricas de São Caetano do Sul e São José dos Campos (SP), como mostrou reportagem de Automotive Business, que revelou que os fabricantes de veículos associados à Anfavea já anunciaram R$ 44 bilhões de investimento no Brasil para período de 2017 a 2025 (leia aqui).

    “O modelo chegará para complementar a linha de picapes Chevrolet, além disso, vai estrear um conceito completamente inovador para a marca no segmento de veículos utilitários”, disse Carlos Zarlenga, presidente da GM América do Sul.

    Para receber a nova picape, a fábrica de São Caetano está sendo preparada em várias etapas para reduzir o impacto na produção da linha, de acordo com o comunicado da GM. A data de lançamento não foi divulgada, mas fontes do mercado estimam que o modelo, que vai utilizar a mesma plataforma de Onix e Tracker, deve chegar ao mercado brasileiro em 2022. O modelo também será destinado à exportação.

    “Adicionar um produto totalmente novo numa linha de montagem ativa é sempre uma jornada complexa, principalmente diante dos desafios tecnológicos que o projeto impõe. Até por isso a preparação da fábrica será executada em diversos estágios, que levarão meses cada um deles”, explica Luiz Carlos Peres, vice-presidente de manufatura da GM América do Sul.