Here quer digitalizar todas as vias do mundo

Companhia aposta na estratégia de oferecer serviços de mobilidade

Por GIOVANNA RIATO, AB
  • 08/11/2017 - 19:13
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    A Here tem um trabalho e tanto pela frente: a construção do Reality Index, uma espécie de maquete virtual do mundo real, um mapa completo feito a partir de informações colhidas de veículos, smartphones e qualquer outro dispositivo conectado, além de dados públicos, de tráfego ou encontrados on-line. É tudo combinado e integrado à plataforma da companhia. “O Google indexou toda a internet, a Amazon indexou tudo o que você pode comprar. Nós queremos indexar o mundo físico”, almeja Michael Hirsch, diretor global de produtos técnicos da empresa.

    Fornecedora de 80% dos mapas de navegação usados em veículos globalmente, a Here quer ir além e se transformar em uma empresa de soluções para a mobilidade. Assim, a companhia converge para a direção em que toda a indústria automotiva está olhando: o carro autônomo, a conectividade e a oferta de serviços, não só de produtos. Hirsch acredita que a chave para tornar os veículos autoguiados reais está em garantir informações tão detalhadas do mundo físico que permita ao sistema automatizado não apenas ler o entorno do veículo, mas conhecê-lo a ponto de prever o que está por vir.

    “É a diferença entre você dirigir por um caminho familiar em boas condições ou precisar conduzir o carro por estrada desconhecida em uma noite chuvosa. Vamos dar condições para que seja possível saber o que esperar”, compara. O executivo diz que o Reality Index oferecerá um conjunto tão complexo de informações que será indecifrável a olho nu e inteligível apenas aos sistemas inteligentes dos veículos, com dados detalhados do entorno do carro, potencial para localizar pontos de interesse móveis e coordenadas atualizados em tempo real conforme as condições viárias. “Nossa meta é coletar o máximo possível de informações do mundo real para poder entregar o que for necessário.”

    SISTEMA CROWDSOURCING

    Em 2016 a Here investiu 650 milhões de euros no desenvolvimento de novas tecnologias e na ampliação de sua presença global. No começo deste ano, de tão promissor, o negócio que pertencia à Nokia acabou comprado pelas alemãs Audi, BMW e Daimler, que investiram US$ 3 bilhões no empreendimento. “Com a aquisição, a direção que pretendemos seguir não mudou, mas ficaram mais claros os passos que precisamos dar para chegar lá”, diz Hirsch, sem dar mais detalhes.

    A plataforma da companhia é uma construção orgânica que vai contar fortemente com as informações obtidas pelos carros em circulação equipados com sistema Here. A companhia calcula ter 100 milhões de veículos em rodando no mundo com suas tecnologias, mas nem todos são conectados e capazes de contribuir com a plataforma crowdsourcing. Ainda assim, não será difícil abastecer o Reality Index com informações confiáveis. A Here estima que, até 2020, o mundo contará com 200 bilhões de dispositivos conectados à internet, um mar de dados para a empresa. “As coisas não são estáticas. O cenário está em transformação e precisamos nos adaptar a isso”, resume Hirsch.