Hyundai estende paralisação em fábrica de Piracicaba

Unidade tem retorno da produção previsto para 27 de maio; trabalhadores terão contratos suspensos

Por REDAÇÃO AB
  • 23/04/2020 - 20:09
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    A Hyundai Motors decidiu estender o período de paralisação de sua fábrica de Piracicaba (SP), onde são fabricados os modelos HB20 e Creta. Em comunicado divulgado na quinta-feira, 23, a montadora informa que o retorno às atividades está previsto para 27 de maio. Além disso, a empresa também decidiu aderir à MP 936, que autoriza a flexibilização dos contratos de trabalho.


    Com a medida, aprovada em comum acordo com o sindicato dos metalúrgicos de Piracicaba, haverá suspensão dos contratos de trabalho (lay-off) pelo período de 27 de abril até 26 de maio, sem redução de salários. O acordo é válido para funcionários da fábrica e dos escritórios que ficam na capital paulista. Inicialmente, a medida tem duração de 30 dias e poderá ser prorrogada por mais um mês.

    Segundo a Hyundai, nesse período, apenas atividades essenciais serão mantidas na fábrica e nos escritórios.

    Durante a suspensão dos contratos de trabalho, a empresa vai complementar o benefício emergencial do governo federal, referente a 70% do seguro desemprego com o valor restante, que corresponde a 30% do salário nominal, conforme determinado pela legislação. Esse valor será acrescido de uma ajuda compensatória, para que cada funcionário siga recebendo o mesmo salário líquido, sem redução, o que corresponde ao salário nominal menos imposto de renda e INSS.

    A fábrica de Piracicaba está parada desde 26 de março com os quase 2,7 mil funcionários de férias coletivas. A produção estava prevista par retornar no dia 13 deste mês, mas a empresa definiu prorrogar a interrupção das operações para preservar a saúde de funcionários, terceiros e seus familiares.

    Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a Hyundai utilizou de diversas formas para amenizar a circulação de pessoas, adotando banco de horas, trabalho remoto (home-office) e a antecipação de férias coletivas, seguindo as orientações das autoridades públicas de saúde.