IBP quer estimular Gás Natural Veicular

Proposta será apresentada na Rio Oil&Gas.

Por Natalia Gómez, Agência Estado
  • 09/09/2010 - 09:24
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 3 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Natalia Gómez, Agência Estado

    O coordenador do Comitê de Gás Natural Veicular do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás, Rosalino Fernandes, defendeu a necessidade de uma política de transporte e energia no país que privilegie combustíveis menos poluentes, como o GNV. Ele divulgará a proposta na Conferência Rio Oil&Gas, maior evento do setor que será realizado a partir de 13 de setembro no Rio.

    Fernandes disse que embora o número de veículos produzidos no país venha batendo recordes sucessivos (entre janeiro e agosto deste ano foram fabricados 2,4 milhões) as conversões de automóveis ao GNV, menos poluente do que a gasolina e o diesel, mostram queda.

    Até o fim de julho deste ano, a frota de veículos convertidos a GNV no Brasil somava 1.650.147 veículos. Para o coordenador, o número é reduzido em relação à frota total de cerca de 61 milhões de veículos, considerando ônibus, caminhões, automóveis, reboques e tratores, ou mesmo à frota de automóveis, de 35,35 milhões.

    O Brasil chegou a ter entre 20 mil e 22 mil veículos convertidos por mês a GNV há cerca de três ou quatro anos. Atualmente, o maior número de conversões foi registrado em março passado - 3 mil veículos -, disse Fernandes. Segundo ele, o GNV está caro hoje no país porque o governo não quer vender todo o gás que produz para o GNV, destinando-o a outras aplicações como a geração de energia elétrica.

    O coordenador afirmou que o país está deixando de explorar outras fontes alternativas de energia, como a eólica (dos ventos), solar e nuclear. “Tem que rever a política de transporte e de energia, porque a gente não está usando as riquezas que tem da melhor forma possível”, acrescentou.

    Rosalino Fernandes reiterou que grande parte da frota mundial, de 950 milhões de veículos, é movida a gasolina ou a óleo diesel. Esses combustíveis são considerados altamente poluidores. Explicou que a molécula do diesel tem 12 átomos de carbono e a da gasolina oito átomos, enquanto o GNV tem apenas um átomo de carbono e o álcool dois.

    Embora o etanol também contribua menos para o aquecimento global, Fernandes considerou que seria uma ilusão pensar que ele poderá substituir toda a gasolina e o diesel. “Porque, para isso, o Brasil teria que se tornar um imenso canavial”. Como a cana-de-açúcar não pode ser cultivada em todo o território, ele argumentou que entre as alternativas em estudo, o gás natural é a melhor.

    “A solução é aumentar o uso do GNV em substituição à gasolina. Tudo indica que essa é a tendência. O IBP está trabalhando nisso”, afirmou. Segundo Fernandes, a conversão de veículos ao GNV não está acompanhando o crescimento da frota porque os preços praticados para venda de gás no Brasil não são competitivos em relação a outros combustíveis. ”Não são competitivos pela falta de uma política nacional que estabeleça ou regule os preços desse combustível de acordo com a realidade brasileira”.

    O Brasil, frisou, carece de uma política que estabeleça os combustíveis que devem ser utilizados, os que podem ser estimulados e como seriam regulados esses preços. Afirmou que enquanto o país não dispuser dessa política de transporte e de energia, o setor do GNV vai sofrer “com uma política de preços fora da realidade brasileira”. Ele lembrou que o GNV no Brasil é mais caro do que em países desenvolvidos como a França, Alemanha e os Estados Unidos. “A consequência disso é um retrocesso no crescimento do setor”.