Importadores fazem apelo ao governo por redução de imposto

Associadas à Abeifa pedem urgência na redução de alíquota de importação diante do dólar acima de R$ 5

Por REDAÇÃO AB
  • 01/12/2020 - 16:40
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    Diante de novos resultados negativos divulgados na terça-feira, 1º, as empresas associadas à Abeifa (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores) voltaram a apelar ao governo com o pleito de reduzir o imposto de importação de automóveis, dos 35% atuais para 20%. O pedido foi protocolado oficialmente pela entidade em abril, logo após o anúncio da pandemia.

    “Desde o início de nossa gestão, em 16 de março, temos enfatizado que o setor de veículos importados não suportaria período prolongado de pressão sobre os preços praticados em reais ocasionada pela valorização contínua das principais moedas estrangeiras, notadamente o dólar e o euro. Passados oito meses, o setor está no limite da exaustão financeira. Algo precisa ser feito para aliviar os grupos empresariais nacionais e com isso proteger redes de concessionárias e empregos do setor”, afirmou João Henrique Oliveira, presidente da Abeifa.



    O dirigente alertou ainda que a situação de sufoco financeiro de importadores e concessionários poderá prejudicar os consumidores brasileiros de carros importados, que sem a rede atual podem ficar desassistidos em fornecimento de peças e serviços de pós-vendas.



    - Faça aqui o download dos resultados divulgados pela Abeifa
    - Veja outras estatísticas em AB Inteligência



    Em ofício enviado recentemente à Secretaria de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, ligada ao Ministério da Economia, a Abeifa destacou que 72% dos veículos importados pelo Brasil são provenientes do Mercosul e do México, e que, portanto, já contam com o benefício da alíquota zero de importação. Ou seja, os automóveis trazidos de outros países representam somente 3% das vendas internas, mas são responsáveis por gerar 17,5 mil postos de trabalho, além de arrecadação tributária anual que supera R$ 1,2 bilhão.

    “Esse cenário nos impõe um pleito inadiável; precisamos que a alíquota do imposto de importação, dos atuais 35%, seja reduzido para 20%, o equivalente à TEC (Tarifa Externa Comum) do Mercosul. Essa medida não se caracteriza em benefício fiscal, ao contrário, diante do exposto na última semana pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, fortaleceria o Brasil no comércio internacional, até porque o setor de veículos importados, desde 1990, tem contribuído efetivamente com o engrandecimento do setor automotivo brasileiro”, argumentou o presidente da Abeifa.