IPI maior: Kia aplica reajuste médio de 8,41%

O Picanto mais barato sobe de R$ 34,9 mil para R$ 39,9 mil

Por Automotive Business
  • 13/10/2011 - 21:28
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Redação AB

    Após a majoração de 30 pontos porcentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de veículos importados de fora do Mercosul e México, a Kia Motors do Brasil informou na quinta-feira, 13, que aplicará reajuste médio de 8,41% nos preços ao consumidor de seus dez modelos atualmente vendidos no País.

    O modelo mais barato da Kia no Brasil, o compacto Picanto (foto), relançado em agosto passado com novo visual e motor flex, teve o preço de sua versão de entrada aumentado em 14,33%, passando de R$ 34,9 mil para R$ 39,9 mil. O reajuste médio para toda a linha Picanto foi de 12,46%.

    Outro modelo bastante procurado da Kia no País, o Soul, também com motor flex, teve elevação de preço de 10,11% na versão básica, de R$ 54,4 mil para R$ 59,9 mil, e de 6,68% na opção mais cara, de R$ 67,4 mil para R$ 71,9 mil.

    Os utilitário esportivo Sportage, um dos modelos mais vendidos da Kia no Brasil, teve uma das menores taxas de repasse da alta do IPI. O modelo básico subiu 5,96%, de R$ 83,9 mil para R$ 88,9 mil.

    As menores altas foram aplicadas às sete versões do minicaminhão Bongo, inclusive aqueles montados no Uruguai nas instalações da Nordex, que segundo informou o governo na semana passada serão isentadas do aumento do IPI, mesmo sem atingir o índice mínimo de nacionalização de 65%. O reajuste médio da linha Bongo foi de 4,02%. O modelo de entrada, que vem do Uruguai, subiu 3,64%, de R$ 54,9 mil para R$ 56,9 mil.

    “Chegamos a essa média ponderada de 8,41% e os preços são válidos até o dia 31 de outubro. Viabilizamos o menor porcentual possível neste primeiro momento. Mas, de modo escalonado, teremos de fazer novos repasses em novembro e em dezembro”, informou em comunicado José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors do Brasil.