Jaguar Land Rover deve anunciar fábrica em Itatiaia (RJ)

Segundo prefeito, investimento na planta será de cerca de R$ 1 bilhão

Por CAMILA FRANCO, AB
  • 28/11/2013 - 18:50
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    O polo industrial de Itatiaia (RJ), no sul do Rio de Janeiro, foi escolhido para abrigar a primeira fábrica da Jaguar Land Rover no Brasil, a segunda do grupo fora da Inglaterra (há uma na China em construção).

    A prefeitura do município enfim confirmou a decisão em nota divulgada à imprensa. "A assinatura do contrato de instalação será na próxima semana (provavelmente no dia 5 de dezembro) e a expectativa é que a unidade industrial comece a produzir a partir de 2015", informa o comunicado.

    Em entrevista à agência Reuters de notícias, o prefeito de Itatiaia, Luiz Carlos Ferreira Bastos, confirmou que a negociação estava bem avançada e que falta apenas ajustar alguns detalhes. As conversas com a empresa envolveram oito estados e duraram cerca de seis meses. Segundo Bastos, o investimento na planta será de aproximadamente R$ 1 bilhão, com geração de 500 a 700 empregos diretos.

    No mesmo comunicado, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico diz que Itatiaia foi escolhida "por oferecer as melhores condições de topografia, localização e infraestrutura, como vias de acesso, fornecimento de gás e energia, além de estar às margens de um rodoferroviário e da principal rodovia do país, a Presidente Dutra".

    A fabricante britânica se instalará em terreno de 590 mil metros quadrados, com incentivos fiscais estaduais e municipais. “A chegada da Jaguar Land Rover vai ser um marco histórico para Itatiaia", declara o prefeito do município, que já abriga outras empresas do setor automotivo, como Michelin e Hyundai Heavy Industries.

    A Jaguar Land Rover ainda não comenta a decisão, mas confirma que o anúncio será feito em breve. Em entrevista no começo de novembro à Automotive Business, Flávio Padovan, presidente do grupo no Brasil, declarou que o “interesse em produzir veículos no Brasil tem como foco a evolução das vendas no longo prazo” (leia aqui). O executivo explicou que, apesar de o mercado nacional ser o quarto maior do mundo, a participação dos carros de luxo ainda é pequena, de cerca de 1%. O que demonstra oportunidade de forte expansão do segmento premium nos próximos anos.

    Com a fabricação local, a companhia ficaria livre de pagar o adicional de 30 pontos no IPI que incide sobre veículos importados. Para se instalar no Brasil a empresa precisará atender as regras do Inovar-Auto. O programa tem condições específicas para fábricas de baixo volume de produção, com capacidade para fabricar até 35 mil veículos por ano. Os modelos mais cotados para serem feitos por aqui são Freelander e Evoque, utilitários que compartilham plataforma e são os mais vendidos da marca no País.