Kia lança novos Sorento e Carnival no Salão do Automóvel

Kia apresenta novos Sorento e Carnival para o mercado brasileiro: vendas só em 2015 (Fotos: Luis Prado)

Por SUELI REIS, AB
  • 29/10/2014 - 12:52
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    Como principais atrações de sua participação no Salão do Automóvel, a Kia apresenta ao Brasil a terceira geração do Sorento, que fez sua estreia mundial no mês passado, durante o Salão de Paris, bem como a nova Carnival, que mistura as categorias de minivan com SUV. Com início das vendas previsto para o segundo trimestre de 2015, as novidades são parte do plano agressivo de lançamentos da marca para os próximos anos: “Até 2018, o setor automotivo global conhecerá 31 novos modelos, com cerca de 60 derivativos, chegando a um total de 90 modelos diferentes nos próximos quatro anos”, revela Ary Jorge Ribeiro, diretor de vendas da Kia.

    Além das duas novidades, a Kia mostra ainda a versão elétrica Soul EV e o Optima Hybrid, equipado com motor a gasolina 2.0 16V e 4 cilindros, que entrega 150 cv de potência acompanhado pela bateria de polímero de lítio, de 270 cv. Apesar de não ser um plug-in, modelo que se encaixa na medida do governo que reduz de 35% para até 7% o imposto de importação de veículos híbridos, a Kia prefere esperar por outras medidas antes de oferecê-lo ao mercado brasileiro.

    “A redução do imposto de importação é positiva, mas propomos ao governo brasileiro que retire a sobretaxação dos 30 pontos adicionais do IPI também para este tipo de veículo, amigável ao meio ambiente. Fomos a marca importadora mais prejudicada com a elevação do IPI, com uma cota de 4,8 mil unidades por ano, por isso também propomos uma revisão da cota, para que o volume seja proporcional à média de vendas da marca nos últimos três anos. Esse volume atende outras importadoras, mas não a Kia”, ressalta José Luiz Gandini, presidente da Kia no Brasil.

    Neste ano, a marca espera encerrar com a venda de 22 mil unidades contra as 26 mil entregues no ano passado. Sobre expectativa para 2015, Gandini diz que prefere esperar alguma decisão sobre as cotas de importação sem o IPI adicional: “Para poder crescer no Brasil, é preciso rever as cotas. A eleição definida e a nomeação de nomes de reconhecimento internacional e que dá credibilidades para os ministérios, especialmente para a Fazenda, devem acalmar o mercado, fazendo voltar a subir a confiança no País. Acredito que passando a onda de pessimismo, volta a ter mais recurso para a economia, espero também que o governo novo trará ideias novas”. O executivo acrescentou que ainda não há qualquer decisão de fábrica da Kia no País e ainda não sabe qual o efeito da nova unidade no México, que montará a partir de 2016 os modelos Rio e Cerato, em regime de CKD.

    “Uma nova regulamentação sobre o comércio com o México deve estar a caminho, porque o que há agora termina em 19 de março do ano que vem. Essa nova decisão deve vir no início do ano.”



    Esta cobertura do Salão do Automóvel de São Paulo é patrocinada pela MWM International