KTM ganha impulso com motos Duke

KTM 390 Duke é montada em Manaus; versão 200 Duke é a próxima

Por MÁRIO CURCIO, AB | De Nova Odessa (SP)
  • 04/08/2015 - 20:30
  • | Atualizado há 2 months
  • 3 minutos de leitura
    A fabricante de motos Dafra já monta em Manaus (AM) e revende no Brasil a KTM 390 Duke, modelo de uso urbano com motor de 44 cavalos e preço sugerido de R$ 21.990. A operação da marca austríaca é controlada pela montadora brasileira desde o fim de 2014, quando iniciou a abertura da rede e a venda de modelos de alta cilindrada ou destinados a competições fora de estrada.

    Nesta nova etapa, a empresa deixa de atuar apenas com motos de nicho e começa a produzir modelos de maior volume. “Tínhamos cinco lojas exclusivas KTM (em Goiânia, GO, Belo Horizonte, MG, Rio de Janeiro, RJ, São Paulo, SP, e Curitiba, PR), que receberam o primeiro lote de 120 unidades da Duke 390. Com essa moto mais a 200 Duke, que chega em cerca de um mês, algumas concessionárias Dafra receberão identificação externa e interna para vender KTM”, afirma o gerente de marcas da Dafra, José Ricardo Siqueira. As primeiras Dafra/KTM estarão nas cidades do Rio de Janeiro, Niterói, Duque de Caxias, São Paulo, Santo André e Mogi das Cruzes.

    A 200 Duke ainda não tem preço definido, mas deve ficar pouco acima de motos de 250 e 300 centímetros à venda no Brasil. “Queremos vender 850 unidades da linha Duke até o fim do ano”, diz Siqueira. “Pretendemos montar 200 Duke por mês na soma das duas versões”, diz o gerente. Em caso de aumento de demanda, a fábrica consegue esticar a produção mensal para até 400 unidades por mês.

    A KTM 390 Duke foi projetada no centro de pesquisa e desenvolvimento da empresa em Mattighofen, na Áustria. A produção de suas peças ocorre na fábrica da Bajaj em Pune, na Índia. A linha de montagem brasileira recebeu alguns itens nacionais, entre eles pneus (Pirelli), deslizador de corrente, rolamentos de roda, garfo seletor de marchas, relação final de transmissão, cobre-corrente, bateria (Naja) e cabos. Para não deixar o consumidor na mão por falta de peças, a Dafra teria importado R$ 1,5 milhão em itens de reposição e acessórios. “A oferta de peças com preço razoável desestimula o furto e roubo das motos para a venda de suas partes no mercado negro”, recorda Siqueira.

    A 200 Duke entra em linha na segunda quinzena de agosto: “A Suframa está para auditar nossa produção e deve emitir um laudo em 15 dias”, afirma o diretor de engenharia Vitor Trisotto, citando o procedimento da Superintendência da Zona Franca de Manaus. Uma greve neste órgão e outros problemas resultaram em atraso de dois meses na chegada das motos Duke.


    Quadro do tipo treliça é de aço, mas balança da suspensão traseira usa alumínio fundido. Painel inclui hodômetros parciais e shift light. Motor de um cilindro gera 44 cv. Freios dianteiro e traseiro são a disco e contam com ABS Bosch de duas vias

    AGILIDADE É DESTAQUE NA 390

    Automotive Business andou na KTM 390 Duke em um kartódromo no interior de São Paulo. Sua capacidade de fazer curvas surpreende. Até quem anda tranquilo no dia a dia acaba pilotando com sangue nos olhos. A força em baixas rotações é típica dos motores monocilíndricos. Segundo a Dafra, seu torque máximo é de 3,57 kgf.m a 7.250 rpm, mas a 4 mil giros ele já tem muita disposição.

    O circuito não permitiu saber o quanto vibra esse motor em velocidades constantes acima de 100 km/h, mas dá para dizer que seu funcionamento pareceu suave. Tem arrefecimento a líquido, duplo comando, quatro válvulas acionadas por balancins roletados, pistão forjado e cilindro revestido de Nikasil, que resulta em menos atrito e mais durabilidade. A cilindrada exata é de 375 cc. Entre as mudanças para o Brasil o propulsor recebeu injetor com maior vazão, bomba de combustível com novas escovas e teve a central eletrônica remapeada.

    O câmbio da moto tem seis marchas e engates bem precisos. Segundo a Dafra, a 390 Duke atinge 168 km/h de velocidade máxima e faz 42 km/litro pelo método WMTC. Os freios dianteiro e traseiro são a disco e contam com sistema antitravamento ABS Bosch de duas vias como item de série.

    O equipamento pode ser desligado. O painel tem os principais instrumentos concentrados em um display de cristal líquido que inclui indicador de marcha engatada, marcadores de temperatura e combustível, relógio, hodômetros totalizador e parciais. Também há uma luz de alerta para troca de marcha (shift light).

    O peso da moto (139 quilos) e a altura do assento (80 centímetros) não são problema para pilotos com cerca de 1,70 metro, mas pode faltar agilidade entre os carros pela largura do guidão e pelo fato de esterçar menos que o desejável.