Máquinas e implementos faturam R$ 8,7 bi em 2011

Expectativa foi divulgada pela Abimaq na Agrishow.

Por Redação AB
  • 03/05/2011 - 07:28
  • | Atualizado há 2 months
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Redação AB

    Os bons resultados da agricultura na safra atual são evidentes na Agrishow 2011, disse o presidente da Abimaq - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas, Luiz Aubert Neto, na abertura da feira que considera como a maior e mais importante mostra do agronegócio da América Latina. Cesário Ramalho, presidente da Sociedade Rural Brasileira, também demonstrou otimismo com o “desempenho extraordinário da agricultura” e destacou a presença de representantes de países do Cone Sul.

    José Danghesi, gerente da Feira, destacou a setorização da estrutura da feira, facilitando o percurso. “Os visitantes não precisam andar muito para encontrar uma solução pontual, apesar de ser a segunda maior Feira do mundo.” Para ele, será uma semana de bons trabalhos e bons negócios.

    O presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Abimaq, Celso Casale, prevê um crescimento dos negócios na Agrishow em até 25%. Num prognóstico que classifica como conservador, o executivo espera um faturamento da indústria de máquinas e equipamentos de R$ 8,7 bilhões este ano, valor que exclui vendas de tratores e colheitadeiras.

    Para Casale, a demanda por equipamentos está relacionada ao crescimento da renda no campo e isso deve se refletir na evolução da produtividade na produção futura. “As vendas da indústria do setor também devem crescer nos próximos meses”, avaliou Casale. A expectativa é de que o setor retorne ao patamar de 1998, período anterior à crise financeira internacional que afetou fortemente os negócios em 2009.

    Apesar do prognóstico positivo em relação ao mercado neste ano, o presidente da Abimaq, acredita que a balança comercial do setor não deverá apresentar crescimento expressivo. “Estamos perdendo competividade”, alertou.