Marchionne fala dos planos para o Brasil

Em pauta, a nova fábrica e seus produtos, o Uno e consolidações.

Por Fernando Calmon
  • 30/01/2011 - 12:55
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Fernando Calmon, especial para AB

    Durante a entrevista em Detroit, nos Estados Unidos, o CEO do Grupo Fiat, Sergio Marchionne, comentou sobre a nova fábrica em Pernambuco, em 2014.

    “Desde 1993 não construímos no mundo nenhuma unidade fabril inteiramente nova como essa. É fundamental para atendermos a demanda brasileira. Nossa previsão para 2015 é o mercado total atingir 4,5 milhões de veículos”.

    Respondeu sem rodeios a uma pergunta específica sobre a arquitetura do modelo a ser produzido no Nordeste: “Vai utilizar a nossa nova plataforma mundial para carros pequenos.” Para o bom entendedor significa que a base será a do novo Panda, o subcompacto de sucesso da Fiat que também originou o 500. Essa esperada nova geração sofreu atrasos, porém o lançamento está confirmado na Europa, no final deste ano.

    Marchionne foi menos incisivo sobre a possibilidade de o novo Uno ser produzido em alguma instalação da Fiat, fora do Brasil: “Acho improvável.”

    Também mostrou cautela sobre a consolidação futura dos grandes conglomerados automobilísticos, que ele enumerou indiretamente em declaração polêmica há dois anos. Na época previu, sem citar marcas, um grande grupo americano, um franco-nipônico, um alemão, dois asiáticos e um europeu.

    “Continuo acreditando que restarão seis grandes grupos mundiais. Prefiro não comentar.”