Marcopolo tem lucro de R$ 200 milhões no 2º trimestre

Resultado é 150 vezes maior do que o obtido no mesmo período de 2020, que foi muito impactado pela pandemia

Por REDAÇÃO AB
  • 03/08/2021 - 16:46
  • | Atualizado há 1 month, 1 week
  • um minuto de leitura

    A encarroçadora Marcopolo anunciou ter registrado lucro líquido de R$ 200,9 milhões no segundo trimestre deste ano, o que representa uma evolução significativa frente ao resultado obtido no mesmo período do ano passado, de R$ 1,3 milhão, por conta dos impactos da pandemia.

    Segundo o comunicado da empresa, o setor nacional registrou aumento de 4,7% na produção, com 3,4 mil unidades fabricadas no segundo trimestre deste ano, enquanto a Marcopolo registrou alta de 21,6%, com 2,5 mil veículos produzidos (incluindo os modelos da marca Volare). Os ônibus entregues ao programa Caminho da Escola e os adquiridos pelo setor de fretamento, aliás, são reconhecidos pela encarroçadora como os que mais contribuíram para o desempenho positivo da fabricante no período.

    "Começamos a perceber sinais de recuperação da confiança de clientes e usuários. Um dos indicativos é o aumento do interesse de compra e maior uso das frotas paradas, o que deve levar a compras efetivas mais adiante. A companhia segue confiante de que a demanda retornará de forma mais intensa no fim do terceiro trimestre, com boas perspectivas para o quarto trimestre, quando a maioria da população brasileira deverá ter tomado a primeira dose da vacina contra Covid-19", declarou José Antonio Valiati, diretor financeiro e de relações com investidores da Marcopolo.

    Ainda de acordo com o comunicado, a receita líquida da Marcopolo somou R$ 823,7 milhões entre abril e junho, com aumento de 3,2% na comparação com o segundo trimestre de 2020, enquanto o lucro bruto foi de R$ 60,5 milhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) saltou de R$ 40,9 milhões no ano passado para R$ 140,5 milhões em 2021, beneficiado pelo reconhecimento dos processos de exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, o que representou impacto positivo de R$ 383,0 milhões, antes de impostos.