Mercado absorve menos de 11 mil ônibus em sete meses

Setor mantém fraca recuperação ante 2020 e depende do avanço da vacinação e medidas correlatas

Por MÁRIO CURCIO, PARA AB
  • 03/08/2021 - 15:50
  • | Atualizado há 1 month
  • 55 segundos de leitura

    A venda de ônibus em julho atingiu 1.562 unidades, anotando queda de 11,5% em relação a junho. Este foi o terceiro melhor resultado anual, atrás de maio e junho, mas o acumulado do ano teve somente 10,9 mil unidades entregues, registrando pequeno crescimento de 11,3% sobre iguais meses do ano passado.

    Com isso, os ônibus mantêm a pior recuperação de todos os segmentos de veículos. Como comparação, as vendas de comerciais leves cresceram 56,2% sobre os mesmos sete meses do ano passado e as de caminhões, 47,7%. Os números foram divulgados na terça-feira, 3, pela Fenabrave, que reúne as associações de concessionários.

    “Acredito que o avanço da vacinação e a flexibilização das quarentenas poderão provocar reflexos positivos no segmento, mas, enquanto isso não acontecer, muitas empresas [de transporte de passageiros] continuarão em compasso de espera”, analisa o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.



    O executivo recorda que a restrição de circulação de pessoas fez com que as empresas cancelassem ou adiassem renovações ou ampliações de frota. A redução da atividade turística também impacta o setor. Vale dizer ainda que o pequeno crescimento deste ano foi ajudado pelo programa Caminho da Escola e pela atividade de fretamento.

    Esta última é muito utilizada para o transporte de funcionários de empresas. E o crescimento dessa demanda decorre da necessidade de aumentar o afastamento entre cada colaborador como medida de segurança contra a Covid-19.