Mercedes crescerá mais de 7,5% em automóveis

Dirlei Dias, gerente sênior de vendas (foto: Mário Curcio)

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 07/08/2017 - 23:59
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    Em uma roda de bate-papo entre amigos o assunto carros é recorrente, até porque algumas marcas despertam paixão como se fossem times de futebol. Também é verdade que os torcedores mais fanáticos da Mercedes no Brasil tiveram de engolir o choro ao vê-la terminar o ano passado em terceiro lugar em uma briga muito acirrada entre três marcas premium.

    Com 11,3 mil unidades, a estrela de três pontas ficou 556 unidades atrás da BMW e 298 atrás da Audi. Mas o ano de 2017 mostrou desde janeiro a disposição da Mercedes em vencer o “torneio” e no acumulado até julho a montadora anotou 6,6 mil carros emplacados. Cresceu 7,7% sobre o mesmo período do ano passado, enquanto as concorrentes caíram: 22,7% no caso da Audi e 17,2% na BMW. Se sua alta se confirmar, a Mercedes fechará o ano com mais de 12,1 mil automóveis.

    “A tendência é manter ou ampliar esse crescimento até o fim do ano”, afirma o gerente sênior de vendas, Dirlei Dias. “Este ano conseguimos completar em março nossa família de utilitários esportivos (SUVs) com sete modelos. Esse segmento detém 46% das vendas totais dentro da marca e são um quesito para liderar o mercado”, diz o executivo.

    Agora, a chegada às concessionárias da linha 2018 do GLA (SUV mais acessível da Mercedes) reforçará essa tendência de alta acima dos 7,7% até o fim do ano. Antes mesmo da renovação o modelo teve 2,2 mil emplacamentos até julho, o equivalente a 30% de todos os licenciamentos de carros Mercedes no Brasil.

    Ele fica atrás apenas do sedã Classe C, cuja fatia é de 40%. Os dois são feitos no Brasil desde 2016 em Iracemápolis (SP). “No começo de 2017 passamos a montar e pintar as carrocerias dos Classe C e até o fim do ano isso vai ocorrer também com o GLA”, revela Dias.