Metalúrgicos cobram investimentos da Ford no ABC

Ford de São Bernardo produz caminhões das séries F, Cargo e Fiesta hatch (foto: Mário Curcio)

Por REDAÇÃO AB
  • 21/01/2019 - 19:57
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura
    O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC realiza uma mobilização na terça-feira, 22, na Ford de São Bernardo do Campo (SP) para cobrar da direção da montadora a vinda de novos investimentos para a planta, que atualmente produz o Fiesta hatch e caminhões Serie F e Cargo. Enquanto a produção de motores de Taubaté (SP) e a fábrica de Camaçari (BA) receberam investimentos recentes e renovação de produtos, nada foi anunciado para São Bernardo, fortalecendo os rumores internacionais que a Ford teria planos de desativar a unidade.

    O sindicato recorda que os trabalhadores na Ford têm estabilidade até novembro deste ano, garantida pelo acordo coletivo assinado em abril de 2018. Pela negociação realizada na época entre sindicato e montadora, o período de vigência do acordo foi estabelecido como prazo para que as partes realizassem as discussões sobre o futuro da planta, com planejamento de novos investimentos.

    De acordo com Alexandre Colombo, diretor executivo da entidade e trabalhador da Ford, a montadora até iniciou estudos para vinda de um novo projeto no ABC, mas não houve continuidade.

    Wagner Santana, presidente do sindicato, ressalta que é importante que se retomem as negociações sobre o futuro da planta já neste início de ano.

    “Não podemos deixar para discutir investimentos no segundo semestre, próximo ao término de validade do acordo”, alerta o dirigente sindical Wagner Santana.



    Em 2018 o Fiesta hatch teve 14,5 mil unidades emplacadas, 24% a menos que no ano anterior. A redução da demanda resultou no enxugamento de opções. Saíram de linha as versões do Fiesta com câmbio automático Powershift e com motor 1.0 Ecoboost. A Ford também parou de trazer do México o Fiesta sedã.

    Os caminhões da montadora até anotaram crescimento de vendas em 2018. Mas enquanto o segmento anotou 47,6% de alta, a Ford registrou acréscimo de 19,3%. Vendeu somente 9,3 mil caminhões em todo o ano passado.