Metalúrgicos decidem rumo da campanha no ABC

Sindicato promove reunião no sábado às 10 horas.

Por Estadão e Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
  • 18/09/2010 - 10:13
  • | Atualizado há 2 months
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Neste sábado, às 10 horas da manhã, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista reúne os associados para debater as propostas debatidas com as montadoras na sexta-feira. Os dirigentes sindicais já haviam antecipado a possibilidade de greve diante de uma inflexibilidade dos fabricantes de veículos. No segmento de autopeças os reajustes na região foram negociados no patamar de 9%, o mesmo acontecendo na GM de São Caetano e São José dos Campos.

    Trabalhadores do setor automotivo estão conseguindo reajustes salariais expressivos, já que as empresas preferem bater o martelo para evitar quebra da produção em momento de mercado aquecido e afastar a possibilidade de greves. Mas há impasses em São Paulo e no Paraná.

    A proposta de reajuste salarial de 10,5%, incluindo 5,95% de ganho real e 4,29% de reposição da inflação, não havia sido aceita pelos metalúrgicos da Toyota, em Indaiatuba, e Mercedes-Benz, em Campinas, que entraram em greve na quinta-feira, 16, apesar do esforço do sindicato para concluir o acordo. As mesmas bases foram aceitas na Honda, de Sumaré.

    No Paraná, onde atuam Renault Nissan, VW e Volvo, a reivindicação é de 12% de aumento, avanço de 15% no piso salarial e 50% a mais nos abanos. As negociações na região são feitas por empresa. A campanha salarial mobiliza ainda os trabalhadores na Bahia (Ford) e Minas Gerais (Fiat).

    Fontes: Estadão e Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.