Metalúrgicos entram em estado de greve

Trabalhadores de São Paulo e Mogi aguardam novas propostas até 4/11

Por Mário Curcio, AB
  • 31/10/2011 - 10:42
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Mário Curcio, AB

    Em assembleia deliberativa realizada na manhã deste domingo, 30, os metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes confirmaram sua rejeição a contrapropostas entre 7,5% a 8,5% de reajuste salarial dos grupos patronais e aprovaram greve a partir da próxima segunda-feira, dia 7 de novembro. Eles querem no mínimo 10%.

    Em estado de greve, os trabalhadores aguardam novas propostas até o dia 4, sexta-feira. “A inflação dos últimos 12 meses encerrados em outubro deve ficar em torno de 7%. Queremos aumento real significativo”, afirma o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, Miguel Torres.

    As paralisações podem ser por segmento econômico ou por região. A categoria, com data-base em 1º de novembro, pede reposição salarial com aumento real, valorização do piso, redução da jornada semanal para 40 horas, Participação nos Lucros e Resultados (PLR) para todos, licença-maternidade de 180 dias e estabilidade aos acidentados, entre outras reivindicações (são 152 ao todo).

    O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes reúne cerca de 11 mil indústrias e 270 mil trabalhadores. A Campanha Salarial 2011 é unificada com outros 53 sindicatos de metalúrgicos de São Paulo filiados à Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo e à Força Sindical.