Metalúrgicos recontratados pela Caoa ganharão até 30% menos

Da esq. para a dir.: Ivan Witt, diretor de RH da Caoa, se reuniu na segunda-feira, 2, com Adauto de Oliveira e Cláudio Machado, representes sindicais na Ford, com Wagner Santana, presidente, e Rafael Marques, ex-presidente do sindicato

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 03/09/2019 - 21:45
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 51 segundos de leitura

    As novas vagas geradas pelo Grupo Caoa para produção de veículos em São Bernardo do Campo (SP) terão salários mais baixos que aqueles pagos pela Ford. Os valores serão correspondentes a 70% ou 80% daqueles pagos pela montadora americana. A informação partiu do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, durante entrevista concedida no Palácio dos Bandeirantes, no dia em que o Grupo Caoa confirmou a intenção de comprar as instalações da Ford no ABC.

    “Há novas bases menores para funções de produção direta, mas aceitáveis diante do que é pago no ABC”, afirma Santana.



    De acordo com o líder sindical, o Grupo Caoa vai recontratar 750 metalúrgicos da Ford, necessários para manter rodando a produção dos caminhões da montadora americana.

    De acordo com o presidente do sindicato, a Ford tinha 2,7 mil funcionários em 20 de fevereiro de 2019, dia em que comunicou a decisão de sair do segmento de caminhões. Nesse meio tempo, 1,5 mil trabalhadores foram demitidos.

    A fábrica do ABC também montava o Fiesta hatch, cuja produção se encerrou. Hoje a montadora de origem americana mantém 600 funcionários produzindo caminhões. Eles fazem parte de um total de 1,8 mil candidatos às 750 vagas a ser criadas pela Caoa. Dentro da Ford há também 600 trabalhadores em funções administrativas, que permanecerão trabalhando para a empresa.