Microsoft lança versão online do Office

Assinatura custará de US$ 2 a US$ 27 nos EUA.

Por Agência Estado
  • 28/06/2011 - 22:37
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura
    Clarissa Mangueira, Agência Estado

    A Microsoft lançou na terça-feira, 28, a versão online de seu software Office, que irá concorrer com produtos como o Google Apps, do Google, e de outras empresas. O lançamento do Office 365 deixa a companhia ainda mais inserida na computação em nuvem (cloud computing), com oferta dos serviços dos programas de computadores pela internet.

    Os defensores dessa abordagem argumentam que a nova versão pode reduzir os custos com tecnologia e deixar pessoal livre para se concentrar em projetos específicos da empresa, em vez de em tarefas como atualização de software ou gerenciamento de servidores. "O Office 365 iguala o campo de jogo, fornecendo às pequenas e médias empresas ferramentas poderosas de colaboração que têm dado vantagem às grandes companhias durante anos", disse o executivo-chefe da Microsoft, Steve Ballmer.

    Ballmer lançou o Office 365 durante um evento em Nova York. O novo produto oferece versões do Word e Excel que podem ser editadas por múltiplos usuários ao mesmo tempo e acessadas por dispositivos móveis, bem como e-mail, calendário e aplicativos de reunião online. O preço do novo software ficará em torno de US$ 2 por mês, para um serviço que oferece pouco mais do que e-mail, a US $ 27, para uma ampla gama de recursos, como o armazenamento de e-mail ilimitado e uma versão mais poderosa do Office.

    O mercado para o serviço de computação em nuvem deverá crescer mais de 27% anualmente nos próximos cinco anos e alcançar US$ 73 bilhões em 2015, segundo previsão da International Data Corp anunciada na semana passada.

    O Office 365 não é a primeira incursão da Microsoft na computação em nuvem. Sua plataforma Azure permite que as empresas construam e executem aplicações em nuvem. A Microsoft também ajuda empresas a construírem sistemas de tecnologia da informação em seus próprios centros de dados que oferecem alguns dos benefícios da computação em nuvem. As informações são da Dow Jones.