Montadoras esticam férias coletivas

Demanda menor e estoques em alta prolongam recessos

Por Automotive Business
  • 05/12/2011 - 18:00
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 2 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Redação AB

    As empresas já programam férias coletivas por causa da redução do ritmo da atividade econômica e da elevação nos estoques. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, Miguel Torres, revelou que 102 empresas de sua base informaram a intenção de interromper temporariamente a produção.

    O número supera em 27,5% o de 2010, quando 80 empresas entraram em recesso. A duração das férias coletivas é outro indicativo da redução de demanda. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que concentra montadoras e autopeças, as paradas anteriores, em regra entre o Natal e o ano-novo, agora se estendem por 20 ou 30 dias.

    Em São José dos Pinhais (PR), a fábrica de motores da Renault dará 20 dias de férias a partir de 12 de dezembro e a linha de automóveis será interrompida entre 26 de dezembro e 9 de janeiro. A unidade paranaense da Volkswagen também vai parar em razão de estoques em alta, segundo o sindicato local. Serão dez dias a partir de 15 de dezembro, de acordo com a entidade. A VW não confirma o recesso.

    Segundo a reportagem do Estadão, a Ford de São Bernardo do Campo (SP) para de 12 de dezembro a 4 de janeiro. A produção dos caminhões Cargo será interrompida entre 2 e 24 de janeiro. Outra linha de pesados, a da Scania, ficará um mês inteiro em recesso, de 2 de janeiro a 1º de fevereiro. A PSA dará férias coletivas entre 26 de dezembro e 24 de janeiro. A GM ainda define os recessos em suas unidades.