Montadoras reclamam das metas de emissões de CO2 na Europa

Objetivos são muito apertados, avisa Acea

Por REDAÇÃO AB
  • 11/07/2012 - 14:35
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura
    Causou gritaria dos fabricantes a adoção de metas apertadas de emissões de gases de efeito estufa por veículos nos países membros da União Europeia. Na quarta-feira, 11, a Comissão Europeia aprovou a proposta de limitar, a partir de 2020, em apenas 95 gramas por quilômetro a emissão média de CO2 da frota de automóveis produzida por cada montadora, e em 147 g/km no caso de vans. A Acea, associação que reúne 16 fabricantes na Europa, divulgou comunicado informando que ainda irá analisar a proposta e suas consequências juntamente com seus sócios, mas adiantou que considera o objetivo “extremamente desafiador”, especialmente no momento em que a maioria de seus associados está perdendo dinheiro no Velho Continente e tem limitações de caixa para investir em caras tecnologias de redução de emissões.

    “São metas apertadas, as mais apertadas do mundo”, disse no comunicado Ivan Hodac, secretário geral da Acea. A associação alega que os objetivos de emissões de CO2 propostos pela Comissão Europeia são muito mais rígidos do que os adotados por Estados Unidos, Japão e China. Na visão da Acea, isso irá elevar os custos de manufatura na Europa, criando uma desvantagem competitiva na região que poderá retardar a renovação de frotas circulantes.

    A Acea destaca o cenário de vendas declinantes nos últimos cinco anos na Europa, com projeção de novo tombo de 7% este ano – redução de 13,1 milhões de veículos em 2011 para 12,2 milhões em 2012, o nível mais baixo desde 1995. Nesse contexto, as metas de emissões propostas colocam um entrave extra ao desempenho dos fabricantes.

    “Mais do que ambiciosas, as metas devem ser atingíveis”, reclama Hodac. “A legislação e o ambiente de mercado devem se apoiar, conforme já foi negociado anteriormente.” O secretário ressalta, contudo, que os fabricantes europeus continuam comprometidos em fazer sua parte e já reduziram a emissão média de CO2 da frota fabricada em 26,6% desde 1995, quando o índice era de 186 g/km, contra 136,6 g/km hoje. “Está claro que os níveis de CO2 dos veículos têm de continuar em tendência de queda e a indústria está comprometida em entregar isso”, concluiu Hodac.