Motos despencam em novembro com feriados

Terceiro pior mês do ano registrou apenas 65,3 mil unidades emplacadas

Por MÁRIO CURCIO, AB
  • 01/12/2017 - 17:35
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    Os feriados de Finados, da Proclamação da República e em grande medida o Dia da Consciência Negra (não trabalhado em boa parte do País, incluindo dez capitais, três delas no Sudeste) comprometeram a venda de motos em novembro.

    Com apenas 65,3 mil unidades, foi o terceiro pior mês do ano, atrás apenas de fevereiro (60,5 mil motos) e abril (64,9 mil). Na comparação com o fraco outubro houve queda de 4,3%. A média diária se manteve baixa, cerca de 3,4 mil unidades, como no mês anterior. No acumulado do ano foram licenciadas 773,7 mil motocicletas, número 15,4% menor que o registrado no mesmo período de 2015.

    Os dados foram divulgados pela Fenabrave, federação que reúne as associações de concessionárias.

    - Veja aqui os dados de novembro da Fenabrave
    - Veja aqui outros dados de emplacamentos
    - Veja outras estatísticas em AB Inteligência

    Para dezembro os fabricantes acreditam em crescimento da média diária de emplacamentos, para 3,8 mil motos, por causa da entrada do 13º salário e também como desdobramento de lançamentos feitos no Salão Duas Rodas, principal evento do setor, que ocorreu em novembro (veja aqui).

    Se a expectativa para dezembro se confirmar, 2017 fechará com cerca de 850 mil motos e queda próxima a 15%.

    DESEMPENHO POR FABRICANTE

    A Honda totalizou 604,6 mil emplacamentos no acumulado dos 11 meses, 8,2% a menos do que em igual período do ano passado. A vice-líder Yamaha, com suas 104,7 mil unidades, anotou alta de 6,7%. A Suzuki teve em todo o ano 6,5 mil unidades licenciadas e está 41,6% abaixo do que obteve até novembro do ano passado.

    A BMW se aproximou das 6 mil unidades no ano, cresceu 1% e passou a Dafra, que vende motocicletas bem mais acessíveis que as da marca alemã. Com 5,9 mil unidades, a Dafra acumula queda de 46,1%. A empresa brasileira também detém a produção e vendas da austríaca KTM, cujos emplacamentos recuaram 19,7%. A Kawasaki teve apenas 4,1 mil unidades no ano e também registra queda importante, de 24,5%.

    Com 4,1 mil motos, A Harley-Davidson, depois de um ano ruim em 2016, percorre trajetória de alta em 2017. Anotou 4,7 mil emplacamentos até novembro e cresceu 10%. A Triumph registrou 3,6 mil motos no período e leve alta de 2,1%. A Ducati recuou 2,3%. Teve 1.074 motos lacradas nos 11 meses.