Na Argentina, fabricantes de veículos pedem programa setorial ao governo

Representantes da Adefa e de sindicatos se reuniram na Casa Rosada com o presidente Alberto Fernández: em busca de programa de desenvolvimento

Por REDAÇÃO AB
  • 26/10/2020 - 21:33
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • um minuto de leitura

    Representantes dos fabricantes de veículos e de trabalhadores foram recebidos na segunda-feira, 26, pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández, em uma reunião para pedir avanços em um projeto de lei para criar um programa de desenvolvimento do setor e declarar a indústria automotiva estratégica para a produção do país. Participaram do encontro na Casa Rosada o presidente da associação das montadoras (Adefa), Daniel Herrero, e os secretários gerais dos principais sindicatos ligados ao setor, Antonio Caló, da Unión Obrera Metalúrgica (UOM), e Ricardo Pignanelli, do Sindicato de Mecánicos y Afines del Transporte Automotor (SMATA). Também estava presente o ministro da Economia, Martín Guzmán.


    Durante a reunião, o presidente da Adefa informou que a indústria planeja investimentos de US$ 5 bilhões no país até o fim de 2021, ao mesmo tempo em que defendeu a necessidade de estabelecer consenso para criação de um marco regulatório que traga estímulos ao desenvolvimento de fabricantes de veículos e componentes, “porque o setor que é estratégico para a produção argentina, por sua representatividade e participação no desenvolvimento econômico e social do país”, disse.

    Desde o ano passado a Adefa vem gestando com governo e sindicatos a criação do programa denominado Visión 2030, que prevê o estabelecimento de políticas de desenvolvimento para o setor com ênfase na internacionalização, exportações, integração de componentes locais e especialização em picapes e SUVs. “Definimos um modelo de negócio exportador e especializado, com produtos de alto valor agregado que envolvem um intenso nível de investimento de capital de risco a longo prazo”, explicou Herrero. O projeto também envolve a concessão de incentivos à mobilidade sustentável e criação de um programa de sucateamento de veículos velhos.

    “É o momento de seguir trabalhando para materializar esses pontos e em todos os fatores para melhorar a competitividade e a abertura de novos mercados, para termos um setor cada vez mais sustentável ao longo do tempo”, afirmou em comunicado o presidente da Adefa.