Na Argentina indústria volta a elevar produção

Herrero, novo presidente da Adefa: início da recuperação da indústria argentina e conversas com o governo para tornar o setor automotivo estratégico para o país

Por REDAÇÃO AB
  • 03/07/2020 - 20:38
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    Com os números fechados de junho, a associação dos fabricantes de veículos na Argentina, a Adefa, divulgou balanço que aponta para retomada de crescimento de produção, vendas domésticas e exportações – embora todos os volumes ainda estejam bastante abaixo dos registrados no mesmo período do ano passado, quando o mercado argentino já atravessava severa recessão econômica.

    Após produzir nenhum veículo em abril e apenas 4.802 em maio, as fábricas na Argentina montaram 15.657 unidades em 21 dias úteis de trabalho em junho, uma alta de 226,1% sobre o mês anterior, mas 34,5% abaixo do volume produzido em junho de 2019. No acumulado de seis meses a indústria automobilística argentina soma a produção de 86.439 veículos, em baixa de 46,4 % ante igual período do ano passado.

    Daniel Herrero, que em 1º de julho assumiu a presidência da Adefa (no lugar de Gabriel López que se aposentou), avalia que o setor entrou na rota de uma recuperação moderada após a autorização do Ministério do Desenvolvimento Produtivo para a reabertura das fábricas de veículos na Argentina, em uma nova etapa do programa de Isolamento Social Preventivo e Obrigatório (Aspo, na sigla em espanhol), implementado pelo governo argentino em março para conter a disseminação da pandemia de coronavírus no país.

    “Gradualmente vamos recuperando o ritmo, mas estamos conscientes que demandará bastante tempo para retornar aos volumes anteriores”, disse Daniel Herrero.



    EXPORTAÇÃO E VENDAS SEGUEM RETRAÍDAS



    Os fabricantes de veículos na Argentina exportaram 6.875 veículos em junho, o que representou alta de 113% sobre maio, mas retração de 60,5% na comparação com o mesmo mês de um ano antes. No semestre, as vendas externas somaram 53.223 unidades, em queda também expressiva de 50,6% sobre os primeiros seis meses de 2019.

    Já as vendas no atacado dos fabricantes aos concessionários totalizaram 23.773 unidades em junho e cresceram 18,7% ante o movimento de maio. Na comparação com o mesmo mês de 2019, houve contração de 34,9%. Em seis meses foram enviados 123.158 veículos às lojas, o que representou baixa de 34,2% sobre o primeiro semestre do ano anterior.

    Herrero defendeu a retomada da agenda de discussões dos fabricantes com o governo argentino, para fazer avançar a projeto de lei que declara o setor como estratégico para o país. “Precisamos assentar as bases para o futuro de nossa atividade diante dos desafios de transformação que temos adiante, ainda mais neste novo contexto que começa a se desenhar de início de recuperação e superação dos efeitos da pandemia”, disse o dirigente.