New Holland crescerá 12% a 15% este ano

Nova CR7.90 tem 487 cv de potência máxima e rotor de 22 polegadas

Por MÁRIO CURCIO, AB | De Ribeirão Preto (SP)
  • 03/05/2017 - 17:48
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura
    Com o lançamento de uma linha de colheitadeiras e atualização de produtos, a New Holland vê 2017 com boas perspectivas: “Cresceremos de 12% a 15% este ano”, afirma o presidente mundial da empresa, Carlo Lambro. “Tivemos um primeiro trimestre forte, com o agricultor motivado. Houve um repique em abril por causa dos preços das commodities, o que deixou o mercado apreensivo, mas o dólar vem apresentando comportamento estável. Para o agricultor que exporta isso dá certa confiabilidade”, afirmou o executivo em entrevista coletiva durante e 24ª Agrishow, principal feira agrícola do País que ocorre até o dia 5 em Ribeirão Preto (SP).

    O principal lançamento da New Holland é a família CR Evo de colheitadeiras, tipo de máquina que registrou alta de 30% no primeiro trimestre. A linha tem quatro novas versões, com destaque para a CR7.90 (na foto), com motor FPT Cursor de 487 cavalos de potência máxima, rotor de 22 polegadas e tanque graneleiro de 12,3 mil litros.

    “No Brasil, uma em cada três colheitadeiras vendidas é nossa”, afirma o diretor para o mercado brasileiro, Alexandre Blasi.

    RECORDE MUNDIAL EM COLHEITA DE SOJA

    A New Holland registrou o recorde mundial de colheita de soja com uma máquina CR EVO 8.90 em Formosa do Rio Preto (BA). Em exatas oito horas foram colhidos 439.730 quilos, o equivalente a 7.329 sacas do grão. O porcentual de perda registrado foi de 0,5%. Embora a empresa tenha um modelo maior à venda, escolheu a 8.90 “por ser produzida no Brasil”. A máquina recordista é montada em Piracicaba (SP).

    TRATORES

    A empresa comemora ainda alta de 50% na venda de tratores neste início de ano. A companhia está confiante no mercado desse tipo de máquina por causa da produção de etanol e açúcar e pela perspectiva de produção de 645 milhões de toneladas de cana, com aumento na produção de açúcar e otimismo dos produtores: “Vamos crescer muito nesse setor por ter uma linha bastante completa em tratores”, garante o vice-presidente para a América Latina, Rafael Miotto.