Nissan faz eventos para promover March e Leaf

Inova Show tem até test drive de carro elétrico.

Por Mário Curcio, AB
  • 10/06/2011 - 18:15
  • | Atualizado há 2 months, 1 week
  • 3 minutos de leitura

    <style type="text/css"> .texto { font-family: Verdana, Geneva, sans-serif; font-size: 10px; color: #666; } .texto { text-align: left; } </style>

    NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
    EmailRSSTwitterWebTVRevistaMobileRede Social


    Mário Curcio, AB

    Para antecipar a chegada de seu carro pequeno no Brasil, o March, exibir o modelo elétrico Leaf e os carros já à venda por aqui, a Nissan criou um grande evento chamado Nissan Inova Show. Quem mora na cidade de São Paulo pode conhecer e dirigir no fim de semana, dias 11 e 12, vários modelos da marca, inclusive o elétrico. O evento funciona ainda como feirão, com preços diferenciados para Livina, Grand Livina, Sentra, Tiida e a picape Frontier. A Nissan não revela quanto gastou nesse evento, apenas que levará a ação promocional para mais de 30 cidades durante um ano.

    Automotive Business mostra a você nesta reportagem o Leaf, que tem este nome (folha, em inglês) por seu apelo ecológico. O carro é movido somente a eletricidade. Ele utiliza baterias de íons de lítio instaladas sob o banco. Foi este o lugar que a Nissan encontrou para melhorar o aproveitamento de espaço e a distribuição de peso, já que essas baterias têm quase 290 quilos. Colocadas ali, perto do chão, ajudam a baixar o centro de gravidade e a melhorar a estabilidade do carro.

    Silencioso e fácil de guiar

    Muito fácil de dirigir, o Leaf só tem dois pedais, acelerador e freio. No lugar da alavanca de câmbio há um comando parecido com o dos carros automáticos. Rodando, o carro é tão silencioso que causa até estranheza. É algo como acelerar e dirigir um carro com o motor desligado. O som mais alto que se ouvia no test drive era dos pneus passando sobre a terra e as pedrinhas do piso.

    O circuito preparado pela Nissan no Inova Show é pequeno e plano, por isso não dá para dizer com precisão o quanto o Leaf é rápido ou lento. A impressão que se tem ali é de estar dirigindo um carro a gasolina com motor 1.8. A velocidade máxima, porém, está mais para carro 1.0: 145 km/h. A autonomia é pequena, 160 quilômetros entre cada recarga em uso misto. Se o trânsito estiver pesado e o motorista utilizar ar-condicionado ou aquecimento, esse número será certamente menor.

    O painel de instrumentos tem desenho futurista e pequenos ícones em forma de folha mostram ao motorista se ele está dirigindo de maneira econômica ou não. O carro é equipado com quadro discos de freio e sistema regenerativo de frenagem, capaz de transformar em eletricidade parte da energia gasta para parar o carro. Quanto mais suaves e progressivas as freadas, mais energia o motorista reaproveita.

    Outro detalhe bacana é a possibilidade de programar o carro a distância, pelo celular. Isso é útil num dia frio, por exemplo, quando o motorista pode entrar em seu Leaf com a cabine já aquecida pela manhã. Nos países em que a tarifa de energia é mais baixa à noite, o motorista também pode programar a recarga do carro nesses horários e economizar energia.

    Numa recarga normal, de oito horas, o Leaf consome 3,3 kilowatts/hora de energia, o equivalente ao gasto de três ferros de passar. O Leaf não está à venda no Brasil, mas é possível que esteja em nosso mercado em três anos. Nos Estados Unidos, às custas de muitos incentivos, o carro é vendido a US$ 25.280.