Nissan licencia tecnologia para baterias de íons de lítio mais baratas

Numa bateria totalmente de polímero (à direita), as partes frontal e traseira têm polaridade negativa ou positiva

Por REDAÇÃO AB
  • 17/04/2020 - 17:25
  • | Atualizado há 2 months
  • um minuto de leitura

    A Nissan licenciou uma tecnologia avançada para a fabricante APB, que permitirá a produção em larga escala de baterias de íon de lítio mais baratas, mais seguras e com maior capacidade de armazenamento de energia. A ABP é uma organização japonesa que pesquisa, desenvolve, fabrica e vende baterias de íons de lítio da próxima geração.

    Apoiada por grandes empresas, a APB de Tóquio pretende construir uma fábrica no Japão que usará a tecnologia da Nissan para fazer baterias totalmente de polímero.

    A montadora estima que esses novos acumuladores de energia são a próxima geração das baterias de íons de lítio. O know-how da Nissan, conhecido como “tecnologia de bateria de polímero com estrutura bipolar”, ajudará a ter acesso a energia de baixo custo ou renovável por um investimento inicial mais baixo.

    A montadora japonesa começou a pesquisar e desenvolver baterias de íons de lítio no início dos anos 1990. Em 1997, lançou o modelo Prairie Joy EV e se tornou pioneira na instalação de baterias de íons de lítio em carros elétricos comerciais. Desde então vem pesquisando e buscando inovações nesse sentido.

    COMO SÃO AS BATERIAS DE POLÍMERO


    Em uma bateria totalmente de polímero com estrutura bipolar, o eletrólito líquido e os eletrodos de metal usados nas baterias convencionais são substituídos por polímeros. As partes frontal e traseira da célula da bateria são feitas de um coletor de corrente de polímero. As partes frontal e traseira têm polaridade negativa ou positiva e fazem parte do estojo da bateria. Empilhando várias dessas, cria-se uma bateria com estrutura bipolar.

    A tecnologia amplia a capacidade de carga em relação ao volume da bateria, além de aumentar a segurança, substituindo eletrólitos líquidos por polímeros. A estrutura simplificada também reduz os custos.